Plano de Parto


Muito frequentemente os futuros pais expressam algum descontentamento ou

sentem-se desapontados após o nascimento de um bebé. Frases como “Oh, para

a próxima ...”,ou , “se não tivessem…” são infelizmente muito comuns. 


Se a mãe e o seu companheiro de parto tiverem uma ideia clara e informada do

que querem para o nascimento do bebé, não se sentirão pressionados nem

confusos durante este evento tão especial, mas que também envolve muita

pressão, muita expectativa e é sempre um território desconhecido. 


Na ausência de um plano de preferências, a equipa médica irá  prosseguir com a

sua rotina, com os procedimentos e intervenções do protocolo médico da

instituição de saúde, e vai assumir que não fez uma preparação pre parto com a

preocupação com a mãe e bebé que os métodos Hypnobirthing a preparam. 


A maioria dos prestadores de saúde que esta no bloco de partos esta lá  porque sente uma vontade inexplicável e uma dedicação muito especial pelo milagre do nascimento e porque querem fazer parte deste momento especial e ajuda-la a torna-lo inesquecível. Eles estão lá   para a ajudar e se não souberem o que realmente deseja, não há como adivinhar. 


Para ter a certeza que o seu parto não se torna em mais um “incidente medico”, há que escolher estes profissionais com todo o cuidado e carinho para encontrar quem a possa acompanhar nas suas decisões, na sua forma de estar, na sua filosofia de parto, em todas as suas decisões. A conversa acerca do que pretende na hora de ter o seu bebé devera ter lugar cedo durante a gravidez, de modo a ter tempo de poder seleccionar quem melhor a pode acompanhar e dar a conhecer os métodos e técnicas que quer utilizar durante o parto. 

Se escolheu uma instituição de saúde que tem equipas médicas rotativas, por turnos, qualquer profissional de saúde pode assistir ao seu parto. Peça para deixar uma copia das suas preferências de parto com cada um dos turnos, de modo a que quem quer que esteja seleccionado para estar consigo saiba o que pretende. 


Se escolheu ter o seu bebé em casa, este processo torna-se mais simples, tendo apenas que dar a conhecer as suas preferências de parto a sua parteira/doula, etc. 

 

 

 

 

Amigos e familiares deverão estar informados que tem um plano e quais são as suas preferências de parto e deverão saber que não é a melhor altura para partilharem as suas experiências e dar-lhe conselhos. Por melhores que sejam as suas intenções, vocês são as estrelas. directores e realizadores desta obra prima, vocês mandam. Pode parecer um pouco rude ate, não querer ouvir os conselhos de amigos chegados, mas uma vez que tenham a certeza do que querem, toda esta informação extra só irá trazer desconforto e duvidas, numa altura tão cheia de incertezas e a caminho do desconhecido. Assim que souber o que quer para si, para o seu bebé e para a sua família, ponha tudo num papel e feche os olhos a tudo o que é ruído. Informe-se mas não se deixe influenciar por informação que não e comprovada. 


Quando estiver a escrever o seu plano de preferências para o parto tenha em atenção para quem o vai escrever. Há imensos tipos de “planos de parto” disponíveis e muitos deles são tão abrangentes que a meio do plano o profissional de saúde já não esta a tomar nota. Informa-se acerca dos procedimentos rotineiros da instituição de saúde que escolheu. Só perdera tempo e atenção se estiver a repetir pedidos que já são garantidos nessa instituição de saúde. 
E quando o escrever, não “exija”, peça. Está a tentar ganhar a atenção e a cooperação desta equipa médica e nada como expor as suas preferências de uma maneira que não lhe digam que não. 


De acordo com a Associação Portuguesa pelos Direitos da Mulher, da Gravidez e do Parto, não existe “…legislação específica que juridicamente proteja inequivocamente o Plano de Parto, há normas em leis nacionais e internacionais - de aplicabilidade directa e indirecta em Portugal - que são passíveis de proteger a vontade que é expressa no Plano de Parto. São elas as expostas nos artºs 38º, 39º 149º e 150º do Código Penal Português; artºs 3º e 8º da Convenção Europeia dos Direitos Humano (conjugados com os casos Ternovszky vs Hungria,Dubska vs República Checa e Konovalova vs Rússia); e da Convenção dos Direitos do Homem e Biomedicina (Convenção de Oviedo) os artº 5º, 8º e 9º.” 


O plano de parto, ou preferências de parto como preferimos chamar, ainda é um documento informal em Portugal, mas cada vez mais usado e respeitado. 

Como informar a sua equipa médica?

Por vezes, e em Portugal o Hypnobirthing ainda esta a começar, as equipas

médicas não estão informadas sobre as técnicas Hypnobirthing. 

Aqui ficam algumas dicas para poder informar a sua equipa médica do que

pretende e qual é o ambiente ideal para um parto Hypnobirthing: 

​​

- Gostariam de manter o quarto calmo e com luzes reduzidas. 

- Uma mãe que usa as técnicas Hypnobirthing não vai estar muito móvel,

vai querer relaxar confortavelmente na posição que mais lhe for favorável,

senão houver qualquer contra indicação médica. 

Uma mãe Hypnobirthing enquanto em auto hipnose está muito susceptível

a sugestões. Por favor evite referências a dor, medicação e procedimentos

médicos. 

- Anestésicos e anestesia não deverão ser sugeridos. Dito isto, a mãe poderá mostrar vontade de saber mais sobre a medicação oferecida e pedi-la a qualquer altura do parto, se não houver qualquer contra indicação médica. 

- A mãe Hypnobirthing treinou para este dia técnicas de relaxamento e auto hipnose com o seu companheiro de parto. Irá restar pouca atenção a outras vozes enquanto em auto hipnose. Se houver necessidade de falar com a mãe, por favor dirija-se ao companheiro de parto primeiro, de modo a não perturbar o relaxamento profundo da mãe. 

- Encoraje o companheiro de parto a estar junto da mãe e praticar com ela. Juntos são uma equipa perfeita. Por vezes, com a intensidade do parto, o companheiro de parto precisa de algum incentivo para continuar com a rotina que preparam durante a gravidez. 

- Quando a dilatação estiver completa, a mãe hynobirthing vai continuar a relaxar profundamente. Ela preparou-se para “respirar” o seu bebé em vez de “Força! Força!”. Essa vontade de “respirar” o bebé vira espontaneamente e por favor não tente encorajar o método “sustenha a respiração e faça forca”. 

Todas estas sugestões e muitas mais sao dadas ao longo do curso online Hypnobubs.

Clique aqui para saber mais sobre Hypnobubs.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now