O papel das hormonas no parto

Mãe e bebé nascem com a capacidade de iniciar o trabalho de parto, o parto e o nascimento, amamentar e tornar-se profundamente ligados um ao outro.

O fluxo de hormonas no seu corpo impulsiona estes processos perfeitamente organizados e interligados.

É importante que a futura mãe e os seus prestadores de cuidados de maternidade percebam como trabalhar com - e não perturbar - estes processos. Enquanto uma mulher não precisa ser ensinada a dar à luz, é fascinante aprender sobre as capacidades surpreendentes das mulheres e recém-nascidos. Por exemplo, um recém-nascido que é colocado pele-com-pele com a sua mãe logo após o nascimento, pode rastejar para o seio da mãe e começar a amamentação sozinho, apenas movido por instinto e hormonas!

O papel das hormonas nascimento

As hormonas de nascimento são as "mensageiras" químicas da natureza que o corpo produz gratuitamente e sempre na medida certa.

O bebé também produz hormonas de nascimento. Essas hormonas trabalham em conjunto para orientar as mudanças importantes no seu pequeno corpo - mudanças que ajudam a tornar o trabalho de parto e o nascimento tranquilo, sem problemas e com segurança para a mãe e bebé.

As hormonas de nascimento ajudar a orientar mãe e bebé de várias maneiras, incluindo:

  • Preparando o corpo materno para dar à luz;

  • Iniciando as contracções;

  • Preparando o bebé para o nascimento e a vida fora do corpo da mãe;

  • Comunicar aos seios para produzir leite e começar a amamentar o bebé.

E quando a mãe se apaixona pelo bebé, as hormonas de nascimento são parte desse processo e desses sentimentos!

As quatro hormonas importantes para a reprodução são: ocitocina, endorfina, adrenalina e prolactina.

Estas hormonas desempenham um papel importante na regulação do trabalho de parto e nascimento. Aprender sobre elas podem ajudar a entender o que vai acontecer durante o parto e nascimento.

As decisões que a mãe toma sobre o seu acompanhamento durante a gravidez e parto podem apoiar ou perturbar o trabalho natural destas hormonas, dai a compreensão de como elas funcionam e como elas são afectadas ser importante para a tomada de decisões informadas.

Ocitocina

A ocitocina é muitas vezes conhecida como a "hormona do amor" porque está envolvida com o acto sexual, fertilidade, contracções durante o trabalho de parto e a produção de leite na amamentação. Ela ajuda a sentir-se bem, e impulsiona sentimentos e comportamentos.

Células receptoras que permitem que o corpo materno responda a ocitocina aumentam gradualmente durante a gravidez e aumentam muito mais durante o parto.

A ocitocina estimula as contracções fortes que ajudam a diluir e abrir (dilatar) o colo do útero, mover o bebé para baixo e para fora do canal de nascimento, expelir a placenta, e limitar hemorragias apos a expulsão da placenta. Durante o parto e nascimento, a pressão do bebé contra o colo do útero, e depois contra os tecidos da zona pélvica, estimula a ocitocina e contracções. O mesmo acontece quando um recém-nascido está a amamentar.

Os baixos níveis de ocitocina durante o trabalho de parto podem causar problemas:

  • Causando as contracções para parar ou abrandar, e fazendo o trabalho de parto demorar mais tempo;

  • Resultando em hemorragia excessiva após a expulsão da placenta;

  • E levando aos profissionais de saúde a responder a estes problemas com intervenções médicas.

A futura mãe pode promover a produção de ocitocina do seu corpo durante o trabalho de parto:

  • Mantendo-se calma, confortável e confiante;

  • Evitando distúrbios, como pessoas indesejáveis ou ruído e procedimentos desconfortáveis durante o trabalho de parto;

  • Ficando de pé e usando a gravidade, fazendo com que o bebé seja pressionado contra o colo do útero;

  • Estimular os mamilos ou clitóris antes do nascimento, e dando ao seu bebé a oportunidade de amamentar logo após o nascimento;

  • Evitar controlo de dor por epidural, porque irá impedir a mobilidade da mãe.

Endorfina

Quando se enfrenta stresse ou dor, o corpo produz hormonas calmantes e analgésicas chamadas endorfinas.

Pode-se ter níveis mais elevados de endorfinas perto do final da gravidez. Para as mulheres que não usam medicação para a dor durante o parto, o nível de endorfinas continua a aumentar de forma constante e acentuada, com o nascimento do bebé.

(A maioria dos estudos têm encontrado uma forte redução nos níveis de endorfina com uso de medicação para a dor por epidural ou opiáceos).

Altos níveis de endorfina durante o trabalho de parto pode produzir um estado alterado de consciência que pode ajudá-la a lidar com o processo de nascimento, mesmo que seja longo e desafiante. Os elevados níveis de endorfina podem fazer com que se sinta alerta, atenta e até mesmo eufórica após o nascimento, quando começa a conhecer e cuidar do seu bebé.

Neste período pós-parto precoce, as endorfinas são responsáveis no fortalecimento da relação mãe - bebé. Uma queda nos níveis de endorfina neste momento tao especial pode contribuir para o "baby blues", ou depressão pós-parto, que muitas mulheres experienciam durante um breve periodo após o nascimento.

Os baixos níveis de endorfinas pode causar problemas no parto e nascimento:

  • Tornando o trabalho de parto excessivamente doloroso e difícil de tolerar.

  • E levando aos profissionais de saúde a responder a estes problemas com intervenções médicas.

A futura mãe pode promover a produção de endorfinas do seu corpo durante o trabalho de parto:

  • Mantendo-se calma, confortável e confiante.

  • Evitando distúrbios, como as pessoas indesejáveis ou ruído e procedimentos desconfortáveis.

  • Atrasando ou evitando epidural ou opióides para alívio da dor.

Adrenalina

A adrenalina é a hormona de "luta ou fuga" que os seres humanos produzem para ajudar a garantir a sobrevivência.

As mulheres que se sentem ameaçadas durante o parto (por exemplo, por medo ou dor) podem produzir altos níveis de adrenalina. A adrenalina pode retardar o parto ou pará-lo completamente. No início da evolução humana, esta perturbação ajudou as mulheres deslocarem-se para um lugar de maior segurança para terem os seus bebés.

Muita adrenalina pode causar problemas no parto e nascimento:

  • Causando sofrimento para o bebé antes do nascimento;

  • Causando que as contracções parem, abrandem ou terem um padrão errático, e prolongando o trabalho de parto;

  • Produzindo um sentimento de pânico e aumento da dor na mãe;

  • E levando aos profissionais de saúde a responder a estes problemas com intervenções médicas.

A futura mãe pode reduzir a produção de adrenalinado seu corpo durante o trabalho de parto:

  • Mantendo-se calma, confortável e relaxada;

  • Estando informada e preparada;

  • Tendo confiança no seu corpo e nas suas capacidades como mulher;

  • Tendo a confiança nos seus prestadores de cuidados de saude e preferências/plano de nascimento;

  • Estando num ambiente calmo, tranquilo e privado e evitar conflitos;

  • Estando com pessoas que podem fornecer medidas de conforto, boa informação, palavras positivas e outros apoios;

  • Evitando procedimentos invasivos, dolorosos, disruptivos.

Prolactina

A prolactina é conhecida como a hormona "maternidade".

O papel da prolactina em torno do momento do nascimento tem sido menos pesquisado do que o das hormonas descritas acima. Ela aumenta durante a gravidez e tem picos quando o trabalho de parto começa espontaneamente.

Como tem sido demonstrado noutros mamíferos, a continuação de produção de prolactina durante e após o parto parece estar ligada com a preparação do corpo da mulher para a amamentação.

Ela também pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento do trabalho de parto e ajudar o recém-nascido a adaptar-se à vida fora do útero. A prolactina é fundamental para a produção de leite materno. Altos níveis de prolactina com a amamentação precoce podem promover comportamentos maternais e os ajustes necessários para ser tornar “mãe”. Esta hormona pode também apoiar o desenvolvimento saudável da criança.

Os baixos níveis de prolactina podem causar problemas através de:

  • Complicações na transição do bebé no momento do nascimento;

  • Crescimento e desenvolvimento do bebé mais pobres;

  • Diculdade de ajuste de uma mulher para a maternidade.

A futura mãe pode promover a produção de prolactina do seu corpo durante o trabalho de parto:

  • Esperando que o trabalho de parto comece espontaneamente;

  • Minimizando o stresse durante o parto e após o nascimento;

  • Mantendo mãe e bebé juntos após o nascimento;

  • Promovendo a amamentação precoce e, posteriormente, seguindo a sugestão do bebé.

Maximizar o papel das hormonas de nascimento

A partir das informações acima, algumas características típicas do ambiente hospitalar, como o ruído ou intervenções médicas, podem interferir com os processos naturais do corpo materno.

Para evitar isso e maximizar a capacidade do corpo da mãe para seguir seus processos naturais, é uma boa ideia procurar um ambiente de nascimento que suporte isso.

  • Nascimento em casa;

  • Unidades hospitalares mais pequenas e/ou com protocolos que suportem as preferências de parto da mãe;

  • Suporte de trabalho de parto contínuo, tais como ter uma doula como parceiro de parto,

  • Boa preparação durante a gravidez e estar informada sobre potenciais intervenções

Estes pequenos ajustes ajudaram a criar condições que aumentem a produção natural de hormonas do corpo materno e manter as hormonas perturbadoras debaixo de vigilância.

Hypnobirhting e hormonas de nascimento

Hypnobirthing é simplesmente perfeito para ajudar o processo natural do nascimento.

Os principais pilares do Hypnobirthing são Respiração, Afirmações e Auto-hipnose, e estes conceitos são trabalhados através de relaxamento e meditação, que é fulcral para atingir a máxima produção de hormonas de nascimento, como a ocitocina, endorfina e prolactina, e reduzir ao máximo a adrenalina.

As técnicas de relaxamento trazem tranquilidade e calma à futura mãe. Todo percurso de uma preparação para o parto Hypnobirthing da à mãe todas as ferramentas e informação para poder decidir quais as opções a tomar relativamente aos cuidados de saúde durante a sua gravidez e durante o parto, criando um estado de espirito ideal para obter o seu parto natural, tranquilo e calmo como deseja.

O condicionamento da mente da mãe, a ligação profunda entre a mãe e o parceiro de parto que esse condicionamento produz enquanto praticam a auto-hipnose e o relaxamento profundo, desenvolve uma forma de estar perfeita para enfrentar qualquer que seja o caminho que o nascimento possa tomar.

Hypnobirthing oferece à futura mãe:

  • Relaxamento;

  • Calma;

  • Informação;

  • Auto confiança;

Um parto com Hypnobirthing tem como preferências:

  • Trabalho de parto espontâneo, recusando induções (sem q sejam necessárias);

  • Ambiente de parto tranquilo e calmo, sem distúrbios (pessoas a mais, ruido, intervenções de protocolo desnecessárias);

  • Escolha cuidado dos profissionais de saúde que apoiem as escolhas da mãe;

Este é o conjunto ideal para a produção hormonal que leva a um parto natural, simples e sem complicações.

Recursos: http://www.childbirthconnection.org/

Featured Posts
Recent Posts
Follow Us
Search By Tags
Archive
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now