Vamos falar sobre indução

Vamos falar sobre indução.

A indução do trabalho de parto infelizmente tem sido cada vez mais comum nos Hopitais pelo mundo. Seja eles um Hospital amigo dos bebés (e hospitais amigos das mães?!), ou Hospitais apoiantes de parto humanizado (termo muito corrente no Brasil), ou mesmo maternidades privadas.

Pelo Mundo fora há uma percepção generalizada que nos Hospitais Privados as mães são “muito posh to push” e dai a elevada taxa de cesarianas e intervenções.

Esta ideia não pode estar mais errada.

Não há como generalizar uma cultura de parto. Cada país, cada cultura tem o seu modo operandus de lidar com futuras mães.

Países como a Austrália (onde vivo e onde me tornei mãe), Reino Unido e Países Nórdicos (vivi em Inglaterra e na Finlândia), tem em geral uma cultura de parto natural. As parteiras continuam a dominar os cuidados maternais e as intervenções medicas são reduzidas ao necessário.

Outros países como USA, Brasil e Africa do Sul tem taxas de cesarianas elevadíssimas, partos extremamente medicalizados e um descredito enorme no instinto maternal.

Não há como generalizar, mas a indução do trabalho de parto é cada vez mais comum.

No entanto, na maior parte das vezes as mães parecem estar muito mal informadas sobre o que envolve, ou o que foi feito durante a indução e porquê.

As mulheres precisam de ser adequadamente informadas para poderem fazer escolhas certas para o nascimento do seu bebé. Os profissionais de saúde precisam dar a informação adequada de modo a atender aos requisitos legais.

Este artigo tem como objetivo fornecer algumas informações básicas sobre o processo de indução - o que é feito e porquê.

O que é indução

Na antiga versão de 1997 do Midwives’ Dictionary‘ 'indução é "provocar o trabalho de parto' ie. alguém faz com que um trabalho de parto inicie em vez de permitir que o bebé/corpo materno o inicie.

O dicionário continua a dizer que a indução “pode ser realizada quando a vida ou a saúde da mãe ou do feto esteja em perigo caso a gravidez continue’.

É claro que esta afirmação esta aberta a interpretação e muitas induções não são feitas com' indicação médica".

Existem algumas coisas que precisam ser clarificadas antes de escolher ser induzida:

  • Os riscos envolvidos na continuação da gravidez são maiores do que os riscos envolvidos na indução (risco é um conceito muito pessoal)

  • A mãe está mentalizada em conseguir por esto e bebé ca fora. Depois de começar não pode voltar atrás, e uma cesariana é recomendada para quando a "indução falha '.

  • Saiba que não está a ter um parto fisiológico. Indução é uma intervenção e esta intervenção cria riscos que necessitam de um maior acompanhamento e mais intervenção. Não há nascimento 'natural' induzido - parto vaginal talvez, mas não fisiológico.

Existem 3 etapas para o processo de indução.

Pode não necessitar de algumas das etapas ao longo do trabalho de parto, mas deve estar preparada para o “pacote todo” quando aceitar uma indução.

Num parto fisiológico, o bebé e a placenta dão sinais ao corpo da mãe que o bebé está pronto para nascer (Mendelson 2009) – e aqui começa a complexa cascata de mudanças físicas que resultam do processo de trabalho de parto.

Nota: Se as membranas rebentarem naturalmente é normalmente usado o termo "aumento" em vez de indução. Isso ocorre porque supõe-se que o corpo materno já começou o próprio processo de trabalho de parto e a indução só ira fazer com que progrida mais rapidamente. Você pode ler mais sobre esta situação aqui.

Passo 1: Preparar o Colo do utero

Durante a gravidez o colo do útero está fechado, firme e abrigado na parte traseira da vagina.

Isso significa que pode ter contrações sem a abertura colo do útero.

Para que o colo do útero possa responder às contrações são necessárias uma série de alterações fisiológicas complexas.

Relaxina e estrogenio iniciam essas mudanças estruturais, e prostaglandina, leucócitos, macrófagos, ácido hialurônico e glycoaminoglycans estão todos envolvidos no amaciamento/amadurecimento do colo do útero esteja pronto para o trabalho de parto. Não se precisa lembrar de todo este material científico. Tudo que precisa saber é que é um processo complexo, e prostaglandinas são apenas uma peça do puzzle. Mais sobre o papel das hormonas durante o parto.

Alguns profissionais oferecem um descolamento da membrana durante a gravidez para evitar que a gravidez vá para la da data prevista.

O procedimento envolve um exame vaginal e o profissional de saúde coloca um dedo na abertura do colo do útero e "varre" em torno do interior da parte inferior do útero.

O objectivo é separar as membranas do saco amniótico do útero inferior - isto liberta prostaglandinas. No entanto, comentários da Cochrane não suporta essa prática.

Quando a mãe está a ser induzida, o colo do útero poderá ser avaliado através do exame vaginal, que não e nada mais que mais uma intervenção com os seus riscos mas muito poucos benefícios.

Se o colo do útero já mudou e esta macio e aberto o suficiente para obter passagem instrumental para romper as membranas pode saltar para a etapa 2.

Se o colo do útero ainda esta firme e fechado, serão feitas tentativas para mudá-lo de modo para que o passo 2 seja possível.

Isso geralmente é feito colocando prostaglandinas artificiais (Prostin E2 ou cervidil) no colo do útero na forma de um gel.

Prostaglandinas artificiais podem causar hiperestimulação do útero, resultando em sofrimento fetal, portanto, o ritmo cardíaco do seu bebé será monitorado por um CTG após a prostaglandina ser administrada.

A mãe também pode experienciar "dores Prostin", que são fortes dores agudas, por vezes acompanhados por contrações.

Se existem preocupações sobre a administração da prostaglandina (ex cesariana anterior) o seu obstetra pode sugerir outras maneiras de fazer com que o seu corpo liberte prostaglandina natural, como 'irritar” o colo do útero"(esta é a teoria por trás de varreduras de membrana por toque vaginal).

Isto é feito através da inserção de um cateter no interior do colo do útero e enchendo-a com água ou seja. Tem basicamente um balão de água sentado no colo do seu útero - muito irritante.

Concluir com sucesso a etapa 1 pode necessitar de algumas tentativas com re-inserção de prostaglandinas. Isso pode levar horas ou dias, porque há que esperar horas antes de re-avaliação e re-inserção. A mãe pode responder à prostaglandina, entrando em trabalho de parto, e portanto, ignorando os passos seguintes.

No entanto, ainda está a ter um trabalho de parto induzido e geralmente será tratado como "alto risco".

Passo 2: Ruptura de membranas

Uma vez que o colo do útero amadureceu e está aberto o suficiente para obter passagem instrumental, as membranas serão rompidas. Isto facilita com que as contracções induzidas sejam mais eficazes; a cabeça do bebé pressiona mais o colo do útero; e pode provocar contrações evitando passo 3.

Existem riscos associados com a ruptura artificial das membranas. Uma vez que “rebentaram as aguas” pode esperar algumas horas (12h-24h-48h dependendo dos protocolos hospitalares) para ver se o trabalho é iniciado, ou seguir para a etapa 3.

Passo 3: Provocando Contrações

Agora tem um colo do útero pronto para responder às contrações e sem liquido amniótico no caminho a mãe precisa de contrações.

Num trabalho fisiológico natural a oxitocina é libertada a partir do cérebro e entra na corrente sanguínea - tem duas funções principais:

  • Actua sobre o útero para regular as contrações

  • Actua no cérebro para contribuir para o estado alterado de consciência associada ao trabalho e promove a ligação sentimentos e comportamentos

Num trabalho de parto induzido, a oxitocina artificial (pitocin / syntocinon) é introduzida directamente na corrente sanguínea. Não vai ser capaz de atravessar a barreira hematoencefálica, por conseguinte, só funciona no útero para regular as contracções.

Poderá ser muito desagradável/desconfortável porque cada mulher precisa de doses diferentes e é praticamente impossível saber a dose exacta para cada caso. Isto tornam as contrações induzidas extremamente fortes relativamente as que aconteceriam naturalmente ou muito fracas, e por isso o bebé vai ser monitorado de perto através de um CTG.

As mulheres geralmente descrevem as contracções estimuladas artificialmente como sendo diferentes e mais dolorosa do que as contrações naturais.

Obstetras vão argumentar que a fisiologia de uma contração continua a ser a mesma, quer seja iniciada pela oxitocina natural ou artificial - o que é verdade (veja este post para uma explicação de como as contrações trabalhar).

No entanto, durante um teste padrão de contrações induzidas a intensidade aumenta rapidamente em comparação com a maioria dos trabalhos naturais. As mulheres não são capazes de construir lentamente suas endorfinas naturais e oxitocina para reduzir a sua percepção da dor.

Para além disso, as circunstâncias e ambiente que muitas vezes rodeia indução (intervenção, equipamentos, etc.) pode resultar em ansiedade, aumentando a percepção da dor.

Uma vez que o bebé nasce, a mãe vai precisar de continuar a usar a oxitocina artificial para expelir a placenta. Um nascimento prematuro da placenta fisiológico não é seguro porque a mãe não está a produzir a sua própria oxitocina natural, ao nível exigido. Basicamente, a medicina iniciou e deve terminar o trabalho de parto.

Em resumo

Indução do trabalho envolve a imposição do corpo/bebé fazer algo que ainda não está pronto para fazer. Antes de concordar em ser induzida, a mãe deve estar preparada para toda este conjunto de intervenções (cascata de intervenções).

Pode ter a sorte de saltar um passo, mas uma vez que se inicia o processo de indução a mãe está comprometida a fazer o que for preciso para ter o bebé rapidamente ... porque, ao concordar em provocar o trabalho de parto está a concordar que a mãe ou bebé estão em perigo se a gravidez continuar.

Um trabalho de parto induzido não é um trabalho fisiológico e a mãe e o seu bebé serão tratados como "alto risco" e é essa a realidade quando realmente há necessidade desta intervenção.

Um Exemplo de Hypnobirth induzido

Muitas vezes chega a pergunta “ E se houver circunstâncias especiais que me impeçam de ter um parto natural, sem intervenção? Ainda posso ter o Hypnobirth que tanto quero?”

Claro que sim!

As técnicas de Hypnobirthing estão disponíveis para qualquer mãe, em qualquer situação, em qualquer lugar. São estas técnicas que vão ajudar a ultrapassar as circunstâncias especiais e que vão dar a mãe e bebé um começo calmo, tranquilo e tão desejado.

Para quem tem a ideia de que Hypnobirthing é uma escolha de parto natural, sem intervenções e sem drogas este é um dos melhores exemplos para poderem ver que Hypnobirthing funciona e está disponível para qualquer mãe e para qualquer circunstância.

Maravilhoso!

Fonte:

https://midwifethinking.com/2011/07/17/induction-a-step-by-step-guide/

Featured Posts
Recent Posts
Follow Us
Search By Tags
Archive
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now