Uma boa experiência de parto é muito mais do que o nascimento de um bebé saudável.

Uma boa experiência de parto é muito mais do que o nascimento de um bebé saudável.

Oiça qualquer grupo de novos pais a falar sobre a sua experiência de nascimento, e aqui está uma frase que vai quase certamente ouvir.

"Pelo menos o bebé esta bem. Isso é tudo o que realmente importa."

Esse comentário virá depois de um membro do grupo contar uma história que foi tudo menos ideal -

uma história em que a mãe se sentiu ignorada, não foi ouvida, não teve poder, foi negligenciada.

Um nascimento que começou bem, mas que se transformou numa montanha-russa aterradora (às vezes traumatizante), da qual a nova família saiu tão abalada que realmente estavam gratos que mãe e bebé estivessem vivos. Ver Cascata de intervençoes.

Mas o facto de que a mãe e o bebé ainda estão vivos não é a única coisa que importa.

Certamente não nos dias de hoje, quando o nascimento é mais seguro do que alguma vez foi. Hoje, o risco de que mãe ou bebé não sobreviverem o parto é mínimo.

Então como é que ainda estamos a definir objectivos tao baixos em relação a nossa experiencia de parto? E o dano é que está a fazer aos nossos filhos?

Estas questões estão no centro do lançamento de uma campanha que hoje apela a uma reflexão sobre o que mais importa no parto no mundo ocidental no século 21.

A Birthrights, uma instituição sem fins lucrativos de apoio ao parto e ao nascimento, está a pedir uma reavaliação da forma como julgamos um parto bem-sucedido: não deve ser apenas sobre a saúde física, mas sobre a saúde psicológica/mental também.

Segundo a nova pesquisa realizada por Mumsnet para a Birthrights, menos de metade das mulheres no Reino Unido obtém o nascimento que desejavam.

Os novos números, com base numa pesquisa Mumsnet com 1.100 mães que tiveram bebés nos últimos três anos, resultaram em:

68% não foram dadas opções de escolha sobre onde ter o seu bebé;

31% não se sentiu no controlo da sua experiência de nascimento;

23% não lhes foi dada uma escolha sobre onde eles queriam estar durante o parto;

18% não achou que os profissionais de saúde as tivesse ouvido;

24% das mulheres que tiveram partos instrumentais disseram que não tinha consentido o procedimento.

E isso importa? Sim. Na verdade, as evidências sobre o quanto é importante está a crescer rapidamente, de modo que parece quase absurdo para quem sabe alguma coisa sobre o desenvolvimento das crianças e que ainda pensam que a saúde física de um bebé no nascimento é tudo o que importa.

A pesquisa Mumsnet dá uma pista para o porquê: a maioria das mães inquiridas disseram que o nascimento do seu bebé afectado pelo modo de como se sentiam sobre si mesmas, e 41% sentiram que o impacto foi negativo (aumentando para 73% em mulheres que tiveram partos instrumentais).

Quase metade das mulheres inquiridas pensavam que a experiência do nascimento tinha afectado o seu relacionamento com o seu filho, e por 22%, o impacto foi negativo; mais uma vez, para as mulheres que tiveram um parto instrumental essa proporção aumentou dramaticamente, para 59%.

A pesquisa não deu números sobre pais, mas é claro a partir de outras pesquisas se pode concluir que a forma como um nascimento se desenrola afecta a ligação inicial de um pai com o seu filho, bem como o seu futuro relacionamento com a sua parceira.

E tudo isso é vital no ambiente que rodeia o nascimento do recém-nascido, um ambiente que devera ser o mais seguro possível, porque a segurança é tudo o que uma criança precisa no início da sua vida.

Perguntemos a qualquer especialista em desenvolvimento infantil, e eles vão dizer a mesma coisa: o melhor indicador do futuro bem-estar de uma criança, futura realização educacional, saúde mental futura e felicidade futura é a qualidade do vínculo formado entre aquela criança e seu principal cuidador nas primeiras horas, dias, meses e anos após o nascimento.

Quando uma mulher começa a sua vida como mãe sentindo-se em baixo, sem confiança, inseguraem relação ao seu filho e infeliz sobre si mesma, ela não será tão capaz de iniciar o processo de ligação com o seu bebé e embarcar na viagem da maternidade no controle, com poderia se tivesse estado em controle e tivesse validado toda a experiencia de parto.

Dê uma nova confiança a mãe, e dar-lhe-á o melhor começo possível na tarefa mais difícil do mundo - e isso é o melhor começo possível que pode dar ao seu bebé também.

Dê-lhe uma boa experiência de nascimento, e a estrada à frente será pelo menos a direito, sem desníveis e sem buracos.

Dê-lhe um parto traumático, e dar-lhe-á uma montanha para escalar - e, claro, ela tem um bebé para levar também.

O nascimento não deveria ser apenas sobre duas pessoas, mãe e bebé, que sobreviveram e continuem a respirar apos o parto. E uma enorme injustiça que fazemos a próxima geração classifica-lo como tal.

O Hypnobirthing tem todas as ferramentas para dar a futura mãe o controlo e a confiança que necessita para ter um parto calmo e tranquilo, para dar ao seu bebe o melhor começo possível.

Fonte: Joanna Moorhead

https://www.theguardian.com/commentisfree/2013/oct/16/good-birth-experience-baby-alive-mumsnet

Featured Posts
Recent Posts
Follow Us
Search By Tags
Archive
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now