Dilatação – Como verificar sem verificar?

Este post é dirigido para as futuras mães, mas mais especialmente para os parceiros de parto, seja o pai do bebé, doula, enfermeira parteira ou obstetra.

E embora todas estas técnicas de verificar dilatação sejam dirigidas para o parceiro de parto, esta informação pode, e irá de certeza, estar na mente da mãe e vai faze-la estar confiante ao saber onde está no percurso de conhecer o seu bebé.

Porquê verificar?

Uma das questões que uma doula/enfermeira parteira/OB ouve repetidamente durante o trabalho de parto é "quanto tempo ainda falta”. Algumas mulheres preferem não saber, outras mulheres não se importam muito com isso, e algumas mulheres desejam este conhecimento com exactidão quase cientifica.

Como acontece com qualquer intervenção no parto e nascimento (vejam a publicação “cascata de intervenções”), verificações cervicais têm risco. Os riscos incluem: aumento do risco de infecção, rompimento prematuro de membranas, leituras falsas (erro humano e todas as mulheres são diferentes e por vezes não são necessários 10cm para a dilatação estar completa), e arrependimento/decepção na possível "falta" de dilatação.

Independentemente dos motivos das mulheres para quererem saber a sua dilatação, é útil para um profissional de saúde ter mais do que um truque/maneira de saber onde a mãe pode estar no seu trabalho de parto, para além de cronometrar contrações.

Para o parceiro de parto também é importante ter alguma noção do que já passou e do que ainda estar para vir, para poder dar o maior e melhor apoio a mãe, na altura certa.

Alguns dos métodos que podem ajudar um profissional de saúde e saber quão dilatada uma mulher está durante o trabalho de parto incluem:

  • Auto exames

  • Sons que a mãe produz

  • Cheiro da sala / mãe

  • Tampão mucoso

  • Emoções

  • A linha inferior roxa

  • Indicadores físicos

Métodos

Todos estes métodos são generalidades. Foram desenvolvidos e ajustados em conjunto com inúmeros profissionais de saúde que assistem a partos todos os dias.

É a sabedoria do dia a dia, da experiência, é o saber cognitivo e não cientifico que é passado de parteira a parteira e que surge do envolvimento emocional e do acompanhamento e apoio que estes profissionais de saúde dedicam as futuras mães.

É importante lembrar que as mulheres não são livros, são orgânicas, vivas, organismos evoluindo durante o trabalho de parto e que existem muitas excepções para cada regra.

Nem todos estes métodos não podem ser aplicados a todas as mulheres.

Auto exames

A melhor explicação de auto exame pode ser encontrado a partir dos textos de Gloria Lemay.

É uma explicação bastante pratica que obtém bons resultados.

"A melhor maneira de fazê-lo é quando esta imensamente grávida, sentada na sanita com um pé no chão e um em cima do assento. Coloque dois dedos e rode para o seu traseiro. O colo do útero numa mulher grávida sente-se como lábios franzidos para um beijo. Numa mulher não-grávida sente-se como o fim do seu nariz. Quando se está a dilatar, um dedo desliza facilmente para o meio do colo do útero (como se pode deslizar um dedo numa boca enquanto franzindo para um beijo). Com a dilatação a avançar, esse buraco torna-se mais como um elástico esticado e por 5 cm de dilatação (5 dedos de largura) é um círculo de borracha perfeito, como um dos anéis de borracha de um frasco de compota, e da mesma espessura. "- Gloria Lemay

Sons de Nascimento

Um indicador não-vaginal que pode ajudar a detectar o progresso são os sons característicos ​​que uma mulher faz em trabalho de parto.

Normalmente, na primeira fase do trabalho de parto (0-4cm) há pouco ou nenhum ruído de "nascimento"; a mãe pode falar com pouco ou algum esforço durante uma contracção.

Por volta de 4-5cm de dilatação, conversar passa a ser bastante difícil ou quase impossível durante uma contracção, ruídos podem ainda ser tranquilos, mas soam como vogais consistentemente abertas ou um zumbido ressonante.

5-7cm são tipicamente apresentados com ruídos mais altos, praticamente impossível falar durante uma contração, e os sons podem tornar-se repetitivos.

Se uma mulher tem um trabalho de parto silencioso, uma boa maneira de ter uma ideia sobre seus indicadores vocais é explicar o que você está prestes a fazer ou então espere até que uma contração comece e faca uma pergunta que exige uma resposta de uma frase completa. A maneira pela qual ela é capaz ou incapaz de responder durante uma contração deve ser bastante confiável.

Cheiro

Muitos profissionais de saúde materna têm falado sobre o cheiro de nascimento.

O cheiro de nascimento surge por volta de 6-8cm de dilatação e são um indicador muito bom de bom trabalho de parto activo.

O cheiro de trabalho de parto activo não é tanto o cheiro de terra molhada ou do líquido amniótico, e também não é o cheiro doce da respiração de uma mulher durante o parto (Sim, a respiração de uma mãe em trabalho de parto sempre cheira doce!)

Em vez disso, é um cheiro profundo, escuro (não almiscarado), pesado, familiar ... o cheiro de trabalho profundo e antigo. É algo que é difícil de explicar, mas para um profissional de saúde com bastante experiência pode usar isso como um bom factor de indicação de trabalho de parto activo.

Tampão mucoso

Uma mulher pode ou não mostrar qualquer secreção ensanguentada ou mucosa no início do trabalho de parto, mas sangue e muco muitas vezes vêm em grandes quantidades, geralmente durante as contrações, quando uma mulher se aproxima de 6-8cm de dilatação.

Se as membranas rebentaram no início do trabalho de parto, poderá haver uma segunda libertação em torno de 6 cm de dilatação.

Emoções

Trabalho de parto prematuro ou pré trabalho de parto (1-4cm de dilatação) muitas vezes significa que a mãe está na etapa "This Is It", “É agora” - feliz, excitada, bom senso de humor, talvez até mesmo em negação de que esta realmente em trabalho de parto (sim, tal e qual!).

Movimentar-se em trabalho de parto activo (4-6 cm de dilatação), muitas vezes significa que a mãe ainda esta sorridente e pode até rir entre as contrações com pequenas coisas e participando na conversa entre contracções.

Trabalho de parto activo (5-7cm de dilatação) geralmente a mãe fica mais irritada com a conversa banal ou pessoas a tentar distraí-la com piadas. Pode levá-la algum tempo após uma contracção a “voltar” a sala, ou pode optar por simplesmente permanecer no seu “espaço de parto”, na sua bubble, e não interagir com o ambiente que a rodeia. É aqui que o papel do parceiro de parto é importante e deve estar atento a estas mudanças para poder fazer com que a sala se adapte as necessidades desta fase: reduzir o ruido, reduzir o numero de pessoas na sala, fazer com que a mãe esteja o mais confortável na sua “bubble” possível.

Por volta da etapa de transição (em geral, 7cm de dilatação), mesmo entre as contrações, a mãe pode tornar-se duvidosa, incapaz de tomar decisões concretas ("Eu não sei", em resposta a perguntas), ou irracional. Esta inquietação, estas duvidas são um bom indicador de que a mãe está na recta final.

Este método pode ser complicado de perceber, porque este 'mapeamento emocional’ pode ​​ser distorcido pela posição do bebé ou pelo background emocional da mãe.

Se o bebé não se estiver a posicionar bem, a mãe pode experimentar uma rápida transição ou uma transição mais prolongada.

Linha inferior roxa

Um estudo realizado e publicado na revista Lancet lança a hipótese de que a linha roxa que "cresce" na zona interglútea pode ser um grande indicador da dilatação cervical. A linha começa na margem anal no início do trabalho e ergue-se como um "termômetro de mercúrio".

Quando atinge o topo, a mulher está em dilatação total.

Os autores propõem que um "aumento da pressão intra pélvica provoca congestionamento nas veias ao redor do sacro, que, em conjunto com a falta de tecido subcutâneo sobre o sacro, mostra os resultados nesta linha de descoloração roxa".

• A melhor maneira de observar é olhando para o ânus, uma linha roxa aparece e, ao longo do trabalho de parto, sobe sobre a zona interglútea.

• A imagem à direita é de uma mulher totalmente dilatada e a sua linha roxa.

Indicadores físicos

Muitas mulheres vão descobrir que quando perto da expulsão, podem apresentar sinais semelhantes aos da gripe.

Se uma mãe de repente sente vontade de vomitar ou queixa-se de náuseas, tem o rosto corado e se sente quente, e / ou começa a tremer incontrolavelmente, a mãe pode estar à beira da segunda fase.

Vómitos sozinhos pode ser apenas emoções, hormonas ou fadiga.

Rubor facial é um bom sinal de 6-7cm, quando único “sintoma“.

E tremer incontrolavelmente, unicamente, pode significar cansaço ou febre.

Estes indicadores são mais confiáveis ​​quando dois ou todos os 3 são notados juntos.

Outros indicadores físicos de seis centímetros e mais:

  • ondulação involuntária dos dedos do pé durante as contrações, mesmo quando o resto do corpo está solto e relaxado (6-8cm)

  • se de pé, em vez de enrolar os dedos dos pés, a mãe pode ficar na ponta dos dedos dos pés enquanto se inclina sobre algo (6-8cm)

  • arrepios em sua parte inferior (nádegas) e coxas (9-10cm)

Em conclusão

A dilatação do colo do útero pode dizer-nos o quão dilatada uma mãe está, mas não como está perto de dar à luz seu bebê.

Ouvir o seu corpo e os sinais que ele dá ajuda-nos a saber onde a mãe está na sua viagem. As jornadas de algumas mulheres levam-nas através de jogos e atalhos, enquanto outras são um passeio no parque.

Mais do que tudo, estas ferramentas podem ajudar as mães a planear os próximos passos nas suas viagens.

Referencias

http://wonderfullymadebelliesandbabies.blogspot.com.au/

http://wisewomanwayofbirth.com/

www.thelancet.com

http://bmcpregnancychildbirth.biomedcentral.com/articles/10.1186/1471-2393-10-54

https://sarahvine.wordpress.com/2010/03/07/how-dilated-am-i-assessing-dilation-without-an-internal-exam/

https://womantowomancbe.wordpress.com/2008/04/27/checking-dilation-without-a-vaginal-exam/

Featured Posts
Recent Posts
Follow Us
Search By Tags
Archive
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now