Amy Flemming: "O meu primeiro parto foi angustiante. Hypnobirthing fez com que o meu segundo pa

Deixo-vos com uma tradução de um artigo do The Guardian.

Amy Flemming fala de sua experiência como mãe e as diferenças entre tendo usado Hypnobirthing no seu segundo parto e um primeiro parto hospitalar, "tradicional".

Mais um relato de como o Hypnobirthing funciona, como é apresentado aos pais e como faz toda a diferença no caminho para uma experiência calma, tranquila e muito positiva de nascimento.

Para mais informacao sobre Hypnobirthing ver Hypnobubs Online Course

"O meu primeiro parto foi angustiante. Hypnobirthing fez com que o meu segundo parto fosse um sonho" Amy Flemming

Eu não fiquei surpresa ao ler na semana passada que o hypnobirthing está a tornar-se parte do modelo padrão de preparação ao nascimento, com mais e mais hospitais britânicos a leccionarem os seus próprios cursos.

Para os não-iniciados, as histórias de partos indolores e relaxados que o hypnobirthing facilita podem soar parecidas com o movimento orgasmático de nascimento, que, vamos ser sinceros, não é para todos. Mas eu tentei hipnobirthing, e posso assegurar que é um antídoto de senso comum para como alienígena e assustador uma das coisas mais naturais do mundo se tornou para muitas mulheres.

"As mães de primeira viagem podem ficar apavoradas porque são apressadas durante o processo de trabalho de parto, mas eu superei os meus medos com a ajuda desta prática de meditação."

Eu tive dois bebés.

Da primeira vez, o nascimento do meu filho foi uma experiência bastante “normal”, o esperado: angustiante. Preparação para o parto composta por “wishy-washy” yoga para gravidez e um rápido “run-through” no hospital sobre os procedimentos para induzir bebés tardios, como proporcionar alívio da dor e lidar com emergências.

Fiquei ocupada a escrever um plano de nascimento, a fazer uma playlist e aluguei uma máquina TENS para aliviar a agonia que se aproximava. Nenhuma dessas coisas acabou por ser útil.

Nos estágios iniciais do trabalho de parto eu segui o conselho padrão: tomei um banho, comi, tomei algum paracetamol. Dez horas depois, eu estava a ter contracções frequentes e dramáticas, então eu fui levada para o hospital. A parteira observou-me, acenou com a cabeça com aprovação e agarrou suas luvas de látex para inspeccionar meu progresso. Mal tinha começado, ela anunciou, e mandou-me para casa. Muitas horas depois, eu voltei, mas eles disseram que eu ainda não tinha dilatado o suficiente para ser permitido ficar. O primeiro trabalho de parto da minha irmã tinha sido lento, como este, e terminou com uma ruptura de placenta, um nado morto e muitas transfusões de sangue. Isso era improvável que acontecesse comigo (é improvável que aconteça a qualquer um!), mas eu estava aterrorizada de qualquer maneira.

Foi uma noite tranquila no centro de parto, e então eles deixaram-me ficar. Muitas horas mais tarde, uma parteira sugeriu uma injecção de petidina para que eu pudesse descansar. Eu relutantemente aceitei e foi-me colocado por IV, e dado uma hormona sintética para acelerar as coisas, e uma epidural.

Eventualmente, um médico “arrancou” o meu bebé, que tinha exibido sinais de sofrimento no útero, com fórceps. Ele ficou magoado, mas bem.

O nascimento da minha filha foi exactamente o oposto.

Eu estava bastante receosa, e então, no período de preparação, fizemos um curso hipnobirthing de quatro sessões de três horas. A formadora, Kat, considerou que a razão pela qual muitas mulheres têm nascimentos prolongados, terríveis, é porque estamos assustadas e não temos tempo e espaço para fazer esta coisa perfeitamente natural de uma forma descontraída. O stress pode dificultar a progressão do trabalho de parto, e caímos numa cascata de intervenção médica. Ela estava, sem saber, a resumir o nascimento do meu filho.

Ler mais sobre Cascata de Intervenções

“O meu marido pôs as mãos sobre os meus ombros e disse, 'vai mais fundo' - isso era hilariante e eficaz ao mesmo tempo.”

"Nas aulas de hipnobirthing, desenvolvemos gatilhos positivos para trazer um estado relaxado quando chegou o momento." Fotografia: David Jones / PA

As aulas foram parte educacional - completa com diagramas e vídeos de mulheres em trabalho de parto quase em silêncio - e parte hipnose. Kat relaxou-nos, às vezes pondo-nos a dormir, e nos encheu de positividade. Ela encorajou-nos a chamar contracções de "ondas de pressão", que soa menos clínico e descreve com mais precisão o que elas significam. Em casa, li (a maior parte) o livro que recebemos (Hypnobirthing por Marie Mongan) e escutava diariamente um CD relaxante com afirmações de nascimento positivas. Felizmente, isso muitas vezes me pos a dormir também.

Trabalhamos no desenvolvimento de gatilhos positivos para trazer um estado relaxado quando chegou o momento. Por exemplo, Kat treinou o meu marido para colocar a mão no meu ombro e dizer: "ir mais fundo". Isso foi hilariante e eficaz. As faixas de abertura do CD também se tornaram uma via rápida para a serenidade.

O primeiro sinal que o curso estava a dar resultado foi quando eu fiz a decisão inimaginável previamente para tentar ter um parto domiciliar. Hypnobirthing tinha me dado a confiança e clareza para resolver o meu desconforto sobre ter que ir para o hospital.

A minha filha estava prevista nascer no meu aniversário, e foi quando ela chegou.

Eu dei reviravoltas na cama o dia todo, mordiscando pizza, ouvindo meu CD, respirando com a minha barriga e ocasionalmente sendo firmemente pressionada no ombro ("ir mais fundo" - ainda hilariante quando eu estava realmente em trabalho de parto, e ainda eficaz). Eu estava a deixar o meu corpo continuar com o que tinha de fazer, ao invés de rolar numa uma bola de pilates, ou me ir preparando para ir ao hospital.

Pela hora do jantar, as “ondas de pressão" tinham-se tornado tão escandalosamente fortes que estavam quase para além do doloroso. Algum motor bizarro interno tomou conta de mim e eu fiquei calma, animada e um pouco nervosa. A parteira chegou, olhou para mim e disse "baby's coming".

Foi uma experiência 100% positiva e tenho recomendado hypnobirthing para cada futura mãe e pai desde então.

Fiquei surpresa que o grande estudo britânico publicado no início deste ano descobriu que hipnobirthing fez apenas uma diferença de 3% na administração de epidurais. É certo que, ao contrário do meu hypnobirth, todos os que estavam no estudo foram primeiros trabalhos de parto (que geralmente são mais longos do que os seguintes), e tiveram lugar em hospitais.

Mas, as estatísticas de alívio da dor de lado, o estudo mostrou que o processo teve efeitos positivos significativos.

(Nota: este artigo foi escrito em 2015. Desde então a pratica de Hypnobirthing tem sido tão divulgada e tão popular que o NHS - sistema de saúde publico Britânico - tem treinado Parteiras em Hypnobirthing para poderem dar o apoio correcto as mães que chegam as instituições de saúde materna. Ver mais aqui.)

Soo Downe, o principal autor, concluiu que vale a pena gastar $4,88 por mulher em sessões de hipnobirthing mais um CD nos cuidados básicos do NHS, porque reduziu o medo de dar à luz e o stress pós-parto.

"A inclusão de auto-hipnose pré-natal aos cuidados de saúde maternais habituais no Reino Unido não parece afectar as taxas de alívio da dor por epidural. No entanto, os resultados sugerem que a terapia pode reduzir a ansiedade e depressão pós-natal e medo do parto.”

Isto implica que poderia haver benefícios adicionais, como o estabelecimento de hábitos de amamentação e a promoção de positividade sobre futuros nascimentos. Os participantes também relataram encontrar o curso útil noutras áreas das suas vidas. Como eu, tendo provado a mim mesmo que os medos enormes não são insuperáveis.

Foi um triunfo."

Amy Flemming

referencias:

https://www.theguardian.com/commentisfree/2015/aug/24/labour-hypnobirthing-mothers-fears-meditative-practice?CMP=fb_gu

http://www.dailymail.co.uk/health/article-3671896/Can-hypnosis-REALLY-beat-pain-giving-birth-NHS-think-training-midwives-hypnobirthing.html

http://www.uclan.ac.uk/news/uclan_leads_self_hypnosis_trial.php

Featured Posts
Recent Posts
Follow Us
Search By Tags
Archive
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now