Exames Vaginais: uma intervenção desnecessária

Exames vaginais são infelizmente uma parte tão normalizada do panorama de cuidados de maternidade em 2016 que para milhões de mulheres, não há qualquer dúvida sobre se vão fazer este exame ou não.

Quem me conhece bem sabe que sou absolutamente contra qualquer procedimento ou intervenção que não seja necessário, e quando digo necessário, digo medicamente necessário.

Hypnobirthing da-nos as ferramentas e o conhecimento necessario para que este tipo de procedimentos nao aconteca sem que hajam recomendacoes mecias confirmadas.

Mais informações sobre Hypnobubs aqui.

Cada profissional de saúde tem as suas preferências e hábitos (bons e maus) mas quando se fala em intervenções, exames, procedimentos que influenciam de qualquer forma, física ou psicologicamente, uma gravidez ou um parto, opiniões e hábitos não são para aqui chamados. Vamos nos basear em ciência e em factos comprovados.

Mães tem tido bebés sem qualquer assistência por milhares de anos e a ciência chegou há pouco mais um seculo para ajudar os casos onde a natureza nos falha.

Não vamos deixar que essa mesma ciência atrapalhe um processo tão natural como ter um filho.

As futuras mães de hoje em dia não só acreditam que estes exames são totalmente necessários, mas também não sabem que têm a liberdade de rejeitá-los se quiserem, tal como qualquer outro exame durante a gravidez.

Aqui está a primeira coisa que você precisa saber sobre exames vaginais na gravidez ou no parto: estes exames não são obrigatórios, e você não é obrigada a faze-los.

Ninguém, não importa quem eles sejam, tem permissão para tocar no seu corpo sem o seu consentimento.

Esta é a lei, e abrange os prestadores de cuidados de saúde, não apenas estranhos na rua.

http://www.who.int/genomics/public/patientrights/en/

http://www.abouthumanrights.co.uk/human-rights-medical-treatment.html

Se o seu hospital não vai admiti-la em trabalho de parto até que você faça um exame vaginal, simplesmente vai ter de os informar que vai ter o bebé no seu carro ou mesmo ali na sala de observações. Não se esqueça de os lembrar de quantos canais de televisão vão adorar uma boa historia de um parto a porta do hospital.

O que as pesquisa nos diz sobre os exames vaginais de rotina

“É surpreendente que haja um uso tão generalizado dessa intervenção sem boa evidência de eficácia, particularmente considerando a sensibilidade do procedimento para as mulheres que o recebem e o potencial de consequências adversas em alguns contextos.

A eficácia da utilização e da calendarização dos exames vaginais de rotina no trabalho de parto, bem como outras formas de avaliar o progresso do trabalho de parto, incluindo sugestões comportamentais maternas, devem ser o foco de novas pesquisas com urgência. As opiniões das mulheres sobre as formas de avaliar o progresso do trabalho devem ser prioritárias em qualquer investigação futura nesta área.”

by Routine vaginal examinations in labour, Cochrane

Agora que já sabe que não são necessários nem obrigatórios, vamos falar de algumas razões porque você pode e deve escolher evitar exames vaginais.

Exames Vaginais não dão diagnósticos precisos

A ideia de que o colo do útero estará de alguma forma um número exacto de centímetros dilatado quando entra da fase expulsiva, quando precisa de começar a empurrar o seu bebé, é absurdo!

Todas as mulheres são diferentes, temos alturas diferentes, temos pés de diferentes tamanhos, os nossos corações são de todos os tamanhos, somos todas tão diferentes. Nós temos cérvix de tamanho diferentes também, temos vaginas de diferentes tamanhos, e todos os nossos bebés são de tamanhos diferentes.

Para além destas diferenças todas, todos os prestadores de cuidados de saúde têm dedos de comprimento e largura diferente, e sem uma régua real dentro da sua vagina, eles só podem estimar como você está dilatada.

Muitas mulheres falam sobre como um provedor de saúde disse que estava X cm dilatada, e outro disse que estaria dilatada x cm dentro de um curto período de tempo.

Aqui está uma pequena experiência que poderá tentar:

Objectivo: Avaliar o grau de precisão de medições de várias pessoas e se as suas estimativas são idênticas.

Método:

A. Obter uma régua e ter várias pessoas a observarem quanto mede 1cm - 10cm.

B. Peça-lhes para memorizar como sentiu, apalpou cada comprimento.

C. Encontre alguns objectos domésticos familiares que estão entre 1cm e 10cm, colheres, moedas, etc

D. Vendar todos os participantes e ver quantos podem adivinhar o comprimento correcto de cada objecto, usando apenas dois dedos. Você poderia colocar uma fita de borracha em torno de seus dedos para torná-lo mais difícil e mais "vaginal".

Observe: Todos adivinham o mesmo comprimento para cada objecto? Quantas pessoas conseguem esticar dois dedos confortavelmente até 10cm?

* Alguém vai comentar que os prestadores de cuidados de saúde passam muitos anos sentindo e medindo cérvix, e que eles têm uma melhor ideia do que estão a tentar medir, e que poderia muito bem ser verdade. Mas, como podemos ver pela nossa experiência, diferentes pessoas fazem estimativas diferentes do mesmo objecto familiar.

Exames Vaginais não dizem quanto tempo de trabalho de parto terá pela frente, ou quando vai começar

Não importa o quão dilatado está o seu colo do útero, o seu prestador de cuidados de saúde não pode, em qualquer circunstância, prever quanto tempo vai passar até dar à luz.

Se o seu prestador de cuidados faz exames vaginais antes do trabalho de parto e o colo do útero não está dilatado, não significa que não vai entrar em trabalho de parto.

Por outro lado, se seu médico disser que você está 3cm dilatada antes de entrar em trabalho de parto, isso não significa que você vai entrar em trabalho de parto na próxima meia hora.

Um exame cervical diz-lhe uma coisa, e apenas uma coisa. Assim como uma fotografia, ela diz o que está a acontecer num preciso momento, não o que vai acontecer dentro de uma hora. E como discutimos no ponto 1, é possivelmente nem mesmo uma medição precisa desse momento.

Algumas mulheres têm bebés em menos de uma hora, outras demoram três dias.

Algumas começam/param (ou pródromo) trabalho de parto por semanas.

Tudo isto é normal, e enquanto a mãe e seu bebé são saudáveis, porque importa tanto quanto tempo demora um trabalho de parto até ao nascimento?

É importante acrescentar a essa afirmação que a saúde mental e emocional estão incluídas, não estamos apenas a falar sobre saúde física. Embora a nossa cultura tenha uma visão do nascimento que sugere que é um evento puramente físico, não é.

Exames Vaginais podem causar infecções

Todos nós acreditamos que os hospitais são um ambiente altamente estéril, mas anualmente há muitas mortes por infecções que são contraídas nos hospitais.

Faça um “google” rápido e verá quantas vezes os hospitais têm superbugs resistentesa antibióticos varrendo as suas enfermarias e criando o caos.

Superbugs de lado, há também duas outras infecções que podem causar problemas para bebés no útero. Estes são estreptococos do grupo B, que provavelmente já ouviu falar, e corioamnionite, que é menos conhecido. Ambos irão sair pela sua vagina, e geralmente não são um problema. No entanto, quando um prestador de cuidados de saúde realiza um exame vaginal, existe o risco de qualquer infecção presente, quer no ambiente (como um superbug) ou na vagina, passar através do colo do útero para o útero.

Pode deixa-la desanimada…e tudo pode ir por agua a abaixo….

Como discutimos brevemente no ponto 2, a saúde emocional desempenha um papel muito importante, muitas vezes esquecido no nascimento.

Imagine que tem estado em trabalho de parto toda contente pela noite fora, sente que está tudo a correr bem, sente-se confortável que esta a fazer tudo certo….”you got this”!!!!

Nisto alguém vem e diz que precisa de um exame vaginal, e você descobre que está "apenas 2cm dilatada". Apesar de já estar em trabalho de parto há 12 horas, você está apenas 2cm dilatada !? “Não pode!!!”

Você pode estar em trabalho de parto por mais um ano! Oh desgraça e desastre! Lá vai tudo por agua a baixo! La vai toda a motivação e a sensação de fracasso começa a pairar.

Mais informação sobre Indução

E aqui está o que se segue. Por causa da falta de progresso você recebe hormonas sintéticas para acelerar a coisa. Logo, as contracções são tão difíceis de suportar – porque são auxiliadas por quantidades de hormonas que são impossíveis de regular, todas as mães têm necessidades diferentes e normalmente as doses são muito mais altas do que as necessárias e que as que o corpo produziria naturalmente – contracções tão pouco espaçadas que você está exausta. Mais um exame vaginal para ver se se esta a resultar, mas ainda não há mudança na dilatação.

Você opta por uma epidural, porque você simplesmente não aguenta mais. E outras 12hrs sem alteração e mais um exame.

A próxima coisa que você sabe é que está a ser transportada para uma sala de operações para uma cesariana. Falha no progresso é carimbado em todos os seus registos médicos.

O seu corpo é obviamente um fracasso ... ou não é?

Mais informação sobre Cascata de intervenções

Falha ao progresso é a principal causa de cesariana. Exames vaginais são o teste utilizado para diagnosticá-lo. O trabalho lento não é uma emergência que requer medicação com hormonas sintéticas. Obviamente, pode haver problemas de saúde decorrentes de um trabalho de parto prolongado, mas o foco deve ser na saúde, não em quão rápido o nascimento é.

Um trabalho de duas horas pode ter complicações, não devemos intervir porque é um trabalho rápido?

Um trabalho de trinta horas pode ser saudável, a mulher e o bebé podem estar lindamente trabalhando juntos, porque intervir se não houver preocupações de saúde?

Mais uma vez, precisamos nos lembrar da saúde mental e emocional!

Evitar números auditivos que a deixam sentir derrotada, é vital para a boa saúde mental no trabalho de parto.

Porque você não quer estranhos a tocar na sua vagina

Existem cerca de 7 bilhões de pessoas no mundo. Você decide quais delas são permitidas tocar na sua vagina. Ser médico, enfermeiro ou parteira não significa que sejam automaticamente adicionados à lista restrita.

Para a maioria das mulheres com um trabalho saudável normal, não há necessidade de aumentar a quota. As mulheres passaram centenas de milhares de anos entrando em trabalho de parto e dando à luz sem que ninguém nunca “cutucou” as suas vaginas. Nós não nos tornamos as espécies mais prolíficas na terra por causa de exames vaginais.

E agora você sabe tudo sobre por que você pode optar por recusar exames vaginais de rotina no final da gravidez, e durante o parto!

É importante saber que existem alguns casos raros quando um exame vaginal pode ser útil para o processo de tomada de decisão, mas a menos que sua saúde esteja em risco, poderá entrar em trabalho de parto e dar à luz sem que ninguém nunca toque sua vagina. Mesmo quando é hora de empurrar! Isso mesmo, você pode empurrar totalmente o seu bebé sem qualquer um tocando e ajustando a sua “hoo há”!

Sources:

http://wholewoman.com.au/birth/vaginal-exams-in-labour-are-not-compulsory

http://www.who.int/genomics/public/patientrights/en/

http://www.abouthumanrights.co.uk/human-rights-medical-treatment.html

http://www.cochrane.org/CD010088/routine-vaginal-examinations-in-labour

Featured Posts
Recent Posts
Follow Us
Search By Tags
Archive
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now