"Fora do laboratório: De volta ao quarto escuro"

Fora do laboratório: de volta para ao quarto escuro é um dos melhores artigos sobre parto domiciliar que ja li. Tricia Anderson, falecida em 2007, teve um dom especial como parteira e escritora. Este artigo foi escrito em 2002, e refere-se ao Reino Unido, algumas das estatísticas estão desactualizadas, mas o restante artigo permanece tão relevante hoje como quando foi escrito.

Foca com exactidão toda a fisiologia do nascimento, a importância do apoio emocional e a falha enorme que continua a residir no sistema de saude materna nos países desenvolvidos.

Deixo-vos uma tradução livre e espero que gostem.

"Fora do laboratório: De volta ao quarto escuro"

Por Tricia Anderson

Toda a gente sabe que os gatos precisam dar à luz sem serem perturbados, num lugar escuro e isolado - talvez preparando uma caixa forrada de cobertores fofinhos no canto mais escuro do quarto mais distante da casa, debaixo da cama. E toda a gente que sabe alguma coisa sobre gatos entende que nunca se deve perturbar uma gata em trabalho de parto ou uma gata acabada de parir e a sua ninhada de gatinhos. Caso contrário, o trabalho de parto da gata vai parar ou ela pode rejeitar os seus gatinhos. Toda a gente sabe disso.

Mas imaginem que num determinado dia, há muito tempo, um grupo de cientistas bem-intencionados decidiu que queriam estudar como os gatos dão à luz. Então eles pediram a qualquer pessoa que tivesse uma gata que, quando ela entrasse em trabalho de parto para trazê-la para o seu laboratório - um laboratório científico, brilhantemente iluminado, barulhento e moderno, onde os cientistas poderiam estudá-las, anexando-lhes lotes de monitores e sondas, cercando-as por técnicos estranhos constantemente entrando e saindo com blocos de notas e fazendo anotações. No laboratório, as gatas em trabalho de parto podiam ouvir o som de outras gatas em perigo, e não havia cantos escuros privados para onde elas se pudessem retirar, mas apenas fileiras de gaiolas iluminadas sob constante controlo dos cientistas.

E os cientistas estudaram as gatas em trabalho de parto suas gaiolas brilhantemente iluminadas por muitos anos, e viram que os seus trabalhos de parto eram erráticos, como retardavam e até paravam, e como as gatas estavam desesperadamente angustiadas. Os seus Miaus e os seus gritos eram terríveis. Eles viram quantos dos gatinhos foram privados de oxigénio e nasceram em choque e precisavam de ressuscitação. E, depois de muitos anos os cientistas concluíram "bem, parece que as gatas não entram em trabalho de parto muito bem e os partos não são fáceis ou confortáveis".

Então, porque os cientistas eram pessoas carinhosas e queriam ajudar as pobres gatas, eles inventaram muitas máquinas inteligentes para melhorar o trabalho de parto das gatas, para monitorar os níveis de oxigénio nos gatinhos; Eles inventaram drogas para acabar com a dor e tranquilizantes para aliviar o sofrimento das pobres gatas, e drogas para tornar o trabalho de parto regular e parar de abrandar. Eles até desenvolveram inteligentes operações de emergência para salvar a vida dos gatinhos aflitos.

Os cientistas escreveram artigos científicos que diziam a todos sobre as dificuldades que tinham observado e como as gatas não dão à luz os seus filhotes muito bem, e tudo sobre a inteligente tecnologia de nascimento felino que inventaram. Os jornais e a televisão espalharam a palavra, e logo todos começaram a trazer as suas gatas para o laboratório em trabalho de parto, por causa de toda a sua tecnologia felina inteligente e de quantas vidas de gatinhos tinham salvo. Olhando em volta para toda a tecnologia complicada, as pessoas diziam: "Este deve ser o lugar mais seguro do mundo para as gatas darem à luz'.

Os anos passaram, e a carga de trabalho nos laboratórios dos cientistas cresceu exponencialmente. Eles tinham que admitir novos funcionários e treiná-los nas suas técnicas de trabalho de parto felino, e lentamente os cientistas originais envelheceram e aposentaram-se. Mas, infelizmente, os novos técnicos em ascensão não sabiam da experiência original; Eles nem sabiam que era uma experiência. Eles nunca tinham visto gatas dar à luz em caixas forradas com cobertores no canto mais escuro do quarto mais distante da casa, debaixo da cama – como?! que ideia perigosa! Eles estavam absolutamente convencidos de que as gatas não dão à luz muito bem sem muita assistência técnica - porquê, pense em todos os anos de provas científicas que tinham adquirido - e iriam para casa à noite sentindo-se muito satisfeitos consigo mesmos pelo excelente e tao inteligente trabalho a salvar a vida das gatas e dos gatinhos.

Infelizmente, a maioria das parteiras e médicos que trabalham hoje em dia treinou e trabalhou durante a maior parte das suas vidas nesse tipo de laboratório: e nesse laboratório - que é, naturalmente, uma unidade de maternidade moderna - o parto está numa bagunça. Nos dias de hoje, de prática de medicina baseada em evidências, falamos tanto da importância de avaliar cada intervenção, e ainda ninguém disse que nós precisamos desesperadamente de avaliar a maior intervenção de todos elas - pedir às mulheres em trabalho de parto que entrem nos seus carros e se desloquem para uma unidade de saúde materna, num grande hospital onde elas são cuidadas por estranhos.

Os efeitos desta segunda geração de intervenção em massa estão-se a tornar cada vez mais evidentes. Nos últimos anos foi realizada uma auditoria nacional de serviços de maternidade em Inglaterra pelo English National Board. O relatório de 1999-2001 faz uma leitura deprimente. Embora hajam muitas iniciativas de pequena escala para ampliar as habilidades, perícia e tomada de responsabilidade das parteiras, a descoberta esmagadora é que o número de nascimentos atendidos apenas por parteiras está a falhar. Em alguns serviços é tão baixo quanto 52%. Há um aumento acentuado da quantidade de intervenção obstétrica, e menos parteiras. As taxas de cesariana subiram dramaticamente, com taxas acima de 20% agora comuns, e chegando a quase 30% em alguns hospitais. Induções e partos instrumentais também estão em alta, Com muitos hospitais em Inglaterra com taxas de 15% e mais. Ao mesmo tempo, a taxa de parto domiciliar permanece teimosamente mais ou menos o mesmo, a nível nacional cerca de 2%.

A maioria das parteiras e médicos têm muito pouca experiência de nascimento fora do "laboratório", e a geração mais velha de parteiras e médicos que se lembram quando o parto domiciliar era comum estão quase todos aposentados. As mulheres que cuidamos agora são a segunda geração de mulheres a dar à luz no laboratório - as suas mães deram à luz no hospital nos anos 70, e agora as suas filhas esperam encher as nossas enfermarias. Pode ser tarde demais para voltar atrás.

Porque o nascimento não corre bem no hospital

Se voltarmos à fisiologia básica do nascimento e aceitarmos que ela é dirigida por hormonas, torna-se óbvio porque o parto não funciona bem em condições laboratoriais.

Ver mais em "O Papel das hormonas no parto"

Muito simplesmente, sabemos que a gradual libertação de ocitocina é necessária para fazer os músculos do útero contrair. Sabemos que há o poderoso alívio da dor, tipo morfina, por endorfinas que são libertadas quando o corpo entra em períodos de alto stress e que ajudam uma mulher a lidar com a intensidade dessas contracções, levando-a para fora de si, para um estado de “zone out”. Sabemos que haverá uma pausa entre a primeira e a segunda fase do trabalho de parto, pois a produção de oxitocina diminui com a perda de pressão sobre o colo do útero totalmente dilatado. Sabemos que, à medida que o feto desce na segunda fase, há outra enorme onda de oxitocina criada pela distensão da abóbada vaginal que provoca contracções expulsivas e que, novamente na terceira fase, outro aumento da oxitocina faz com que o útero vazio se contraia e a placenta desça. Sabemos que no momento do nascimento, mãe e bebé têm níveis extraordinariamente elevados de ocitocina e endorfinas. Estes nunca são repetidos em qualquer outro momento das suas vidas, tornando-os alertas, abertos e receptivos uns aos outros - como Michel Odent poderia dizer, eles estão prontos para se apaixonar um pelo outro.

Ver mais em "Benefícios de uma primeira hora sem perturbações após o nascimento"

Sabemos também o que pode impedir ou mesmo interromper este extraordinário processo de trabalho de parto e nascimento, e resume-se a duas coisas simples.

Quando uma mulher está ansiosa ou assustada, envergonhada ou com raiva o seu trabalho de parto não será eficaz porque as suas hormonas de stress, como catecolaminas e níveis de cortisol, serão muito altas, inibindo o fluxo de oxitocina.

Em segundo lugar, a oxitocina - a hormona de libertação, vital no nascimento, na lactação e do amor - também pode ser interrompida pela estimulação do nosso cérebro racional altamente desenvolvido. Se uma mulher é obrigada a responder a perguntas racionais complicadas, exposta a luzes brilhantes ou se sente que está a ser vigiada, sente-se vulnerável ou deve ficar de guarda, o seu neocórtex estará altamente activo em detrimento das glândulas endócrinas que produzem a oxitocina e endorfinas vitalmente necessárias.

Em ambos os casos, deixar de progredir 'e tensão muscular e isquemia fará com que o trabalho de parto seja mais doloroso que ele precisa ser. Poucas mulheres dão à luz no hospital sem alguma intervenção farmacológica e analgesia; O uso de epidurais é agora comum.

Muitas mulheres precisam delas para dar à luz no laboratório; A natureza não iria organizar o trabalho de parto para ser insuportável, mas a humanidade com todo a sua sabedoria fez isso, insistindo que as mulheres dêem à luz em camas duras, em lugares frios e assustadores cercados por estranhos. Também sabemos que as hormonas do stress podem passar através da placenta para o feto - se a mãe está altamente stressada, assim estará o feto. Uma nova pesquisa relacionou os níveis de cortisol materno com os níveis de cortisol fetal e, sem surpresa, o sofrimento fetal é uma ocorrência diária em nossas enfermarias. Como a ocitocina natural é inibida, as hemorragias tambem se tornam comuns.

Para usar as palavras de Michel Odent, vemos os "efeitos colaterais patológicos" da nossa perturbação absurda do processo natural de dar à luz nas enfermarias todos os dias. Nós stressamos as mulheres trazendo-as para "laboratórios" modernos para ter os seus filhos e depois usamos syntocinon para "consertar" as contracções de desaceleração e partos instrumentais para resgatar os bebés em dificuldades que são um resultado do que nós fizemos!

Mamíferos mais elevados, como o chimpanzé, nosso parente mais próximo no reino animal, afastam-se do seu grupo social para dar à luz em privado. Todos nós temos experiência de como nos sentimos diferentes quando sabemos que estamos sendo observados e como agimos de forma diferente quando temos certeza de que estamos sozinhos e que ninguém está a observar. E, no entanto, pedimos às mulheres que entram nas nossas enfermarias, onde não apenas as observamos, mas as monitorizamos e medidos e documentamos tudo o que se passa com elas, como se de um rato de laboratório se tratassem.

Muitas vezes são as mulheres que chegam à porta da enfermaria em trabalho de parto avançado, que são capazes de dar à luz sem intervenção - por nenhuma outra razão para alem de não haver tempo para a rotina do "laboratório" inibir o processo de trabalho natural. Pense nas mulheres Holandesas que dão à luz em casa, que normalmente só chamam a parteira quando o colo do útero tem sete ou oito centímetros dilatados, não têm monitorização ou interferência durante grande parte da primeira fase do parto e ainda têm uma das melhores taxas de mortalidade perinatal no mundo.' O que isso nos diz?

Sabemos muito sobre o tipo de parto gerido que ocorre diariamente nas unidades de maternidade em todo o mundo desenvolvido - no nosso laboratório humano - onde as mulheres sentam-se semi-reclinadas em camas de parto, presas a monitores em salas iluminadas, sujeitas a exames internos regulares, sendo cuidada por estranhos, sendo dito para prender a respiração e empurrar enquanto as mãos de parteiras e obstetras vasculham períneos sob um holofote e orgulhosamente 'entregam' os bebés. Esse é o tipo de nascimento que tem sido estudado em praticamente todos os ensaios clínicos randomizados e pesquisas importantes já publicados. Na verdade, sabemos muito sobre esse tipo de nascimento que muitos de nós - parteiras, médicos e, infelizmente, até mesmo mulheres - começaram a pensar nsso como um nascimento "normal".

Foi assim que a maioria de nós foi treinada; Extraordinariamente! Tal como a maioria das parteiras estudantes ainda estão a ser treinadas agora.

Muitos de nós, que passaram a carreira inteira dentro das divisões modernas ocupadas com partos , talvez se questionem se realmente há outra forma de nascimento.

Descrédito completo pelo corpo materno.

Nascimento em casa

Ajudar as mulheres a dar à luz em casa fez-me perceber que há - definitivamente - outro tipo de nascimento. Trabalhar na comunidade e frequentar partos domiciliares é frequentemente um ponto de viragem significativo no desenvolvimento profissional de uma parteira. (O choque posterior da filosofia é a causa de tanta tensão, intimidação horizontal e dor pessoal na ala de trabalho). Em casa, a maioria das técnicas que pareciam uma parte intrínseca da obstetrícia na ala de trabalho (e que eram tão stressantes para aprender!) não são necessários. As mulheres Multigravida e primigrávidas dão à luz, como as amazonas, bebés que raramente precisam ressuscitar - de quatro sobre o sofá, de pé, segurando a lareira, agachando-se no banho, muitas vezes com crianças e outros membros da família observando e encorajando. Tire o parto do laboratório e de volta para o quarto escuro, e tudo muda.

A pesquisa sobre parto domiciliar confirma esta ideia, mostrando que nascer em casa é tão seguro, se não mais seguro, do que o nascimento no hospital para as mulheres com baixo risco de complicações médicas e obstétricas. A última revisão Cochrane conclui que "todas as mulheres grávidas de baixo risco devem ter a possibilidade de considerar um parto domiciliar planeado".

Mas, se realmente acreditamos em escolha informada, a evidência de pesquisa diz-nos que devemos ir muito mais longe. O novo documento do Royal College of Midwives (RCM) sobre parto domiciliar re-afirma os resultados do inquérito National Birthday Trust Fund que descobriu que as mulheres que deram à luz em casa, quando combinado com um grupo controlo semelhante, tinha cerca de metade do risco de experienciar cirurgia cesariana, ventouse ou fórceps, e eram menos propensas a sofrer hemorragia pós-parto. Bebés nascidos em casa eram significativamente menos propensos a ter resultados baixos de Apgar ou precisarem de ressuscitação, e também sofreram menos lesões de parto '. As mulheres que dão à luz em casa são mais propensas a sentirem-se relaxadas e em controlo, precisam de menos analgesia e exigem menos intervenção, e têm melhores resultados emocionais.

Ver mais em "Cascata de intervenções"

As mulheres que deram à luz tanto em casa como no hospital expressam a sua preferência absoluta para parir em casa. Fisiologia explica claramente por que tudo isso é assim. As parteiras precisam ser honestas com as mulheres sobre os riscos de ir para o hospital, o que pode incluir: uma em cada quatro poderão ter uma cesariana; Um em cada três poderão ter algum tipo de parto instrumental; Uma em cada dez poderão adquirir uma infecção hospitalar - e não há nenhum resultado melhorado para a mãe ou o bebé.

Voltando ao quarto escuro

Pesquisas recentes sobre as opiniões das mulheres demonstram que, mesmo nos dias de hoje em que o parto em casa é considerado uma actividade minoritária, 22% das mulheres gostariam de um parto domiciliar e, no entanto, apenas 2% conseguem isso. No nosso papel de guardiãs do nascimento normal, a estratégia perfeita aberta a parteiras que aumentaria a nossa autonomia, ampliaria as escolhas disponíveis para as mulheres, aumentaria o número de mulheres que dão à luz normalmente - e se baseiam nas melhores evidências disponíveis - seria uma estratégia nacional, com esforços concentrados para aumentar sistematicamente a taxa de partos domiciliares. Com a ênfase actual na prática baseada em evidências e nos cuidados centrados na mulher, esta estratégia deveria fazer parte dos padrões de gestão de qualquer clínica. No entanto, nunca foi seriamente explorada como uma opção, e a pergunta deve ser feita: por que não?

Em algumas áreas onde as parteiras são pró-activas no apoio ao parto domiciliar, a taxa de nascimentos em casa é de cerca de 20%. A Prática de Obstetrícia de Albany, trabalhando numa área privada do Sudeste de Londres, tem uma taxa de partos domiciliares de mais de 40%, o que rapidamente desmistifica de que parto domiciliar é apenas para mulheres de classe média. Eles atribuem isso ao facto de que as mulheres no início do trabalho de parto são visitadas em casa por uma parteira, e então a mulher pode decidir se deseja ficar em casa ou transferir para o hospital. Por que há tal discrepância em todo o país?

Parteira como porteiro

Tem havido uma pequena pesquisa explorando as respostas a essas perguntas. As atitudes negativas de muitos médicos de clínica geral estão bem documentadas, mas Hosein descobriu que foram as atitudes e opiniões pessoais das parteiras que agiram como uma barreira para as mulheres fossem oferecidas a verdadeira escolha sobre o local de nascimento. Floyd descobriu que apenas duas parteiras de uma amostra de 44 rotineiramente ofereciam parto domiciliar nas primeiras consultas. Na realidade, a maioria das parteiras "auto-seleccionam" as mulheres que elas pensavam que poderiam ser "adequadas" para um parto domiciliar ao invés de oferecê-lo como uma opção genuína para todas as mulheres. As parteiras precisam ser honestas consigo mesmas e considerar como elas estão a oferecer o parto em casa: eu ouvi algumas dizerem que oferecem parto domiciliar, mas as mulheres no seu agrupamento não querem.

As atitudes positivas em relação ao parto domiciliar derivam das experiências positivas anteriores da parteira, da educação e do conhecimento e de uma visão autónoma das mulheres e parteiras. A negatividade surge da falta de confiança, especificamente nas habilidades clínicas, tais como ressuscitação, sutura e canulação, apoio inadequado de colegas profissionais e confusão sobre prestação de contas e serviços de emergência.

Parteiras que foram treinadas e trabalharam no ambiente de uma maternidade sempre cheia, que passaram anos cercados por sofrimento fetal, partos de emergência e hemorragias podem ter desenvolvido uma descrença fundamental na normalidade e segurança do nascimento. Como os técnicos de laboratório, eles só sabem que o nascimento está cheio de perigos. A menos que eles tomem o tempo para "desempacotar" a fisiologia e entender as razões pelas quais isso é o caso, é improvável que se sintam confiantes para cuidar de mulheres em trabalho de parto fora do ambiente hospitalar, talvez particularmente para primigravidas. Essa descrença também pode ser aplicada a gestores de parteiras, que provavelmente não apoiarão um serviço de parto domiciliar melhorado. Esta "desaprendizagem" é provável que seja um processo desconfortável, uma vez que envolve dar uma olhada honesta e crítica no cuidado que é dado dentro do ambiente hospitalar.

A maioria das parteiras não são experientes ou especificamente treinadas para o parto domiciliar. A afirmação bastante comum que todas as parteiras são qualificados para exercer em qualquer configuração sobre o ponto de qualificação não leva em conta a natureza muito diferente de parir em casa. Há grandes perigos em levar o modelo de parto aprendido no "laboratório" (onde as instalações de emergência estão à mão) no lar de uma mulher. Se uma parteira utiliza o modelo medicalizado de cuidados num parto domiciliar, como a ingestão nutricional materna restrita, exames vaginais regulares, posição materna restrita, puxos dirigidos, amniotomia e assim por diante, ela recriará a angústia materna e fetal do hospital em casa onde não há back-up nas proximidades.

As parteiras precisam reaprender as suas habilidades de parto em casa, incluindo a compreensão das hormonas naturais do trabalho de parto, os aspectos práticos do parto activo, o apoio às mulheres através de crises dolorosas sem recurso a fármacos, a tomada de decisões onde não há médicos, nem monitores, nem partogramas, trabalho de parto sem syntocinon, sabendo quando a transferência é apropriada, e aprendendo e praticando habilidades de emergência especificamente para a situação domiciliar imprevisível. O facto de existirem competências muito diferentes envolvidas é evidente pelo facto de as taxas de transferência diminuírem significativamente à medida que as parteiras se tornam mais experientes e a Universidade de Bournemouth criou recentemente um módulo para parteiras qualificadas que aborda estas questões. O documento recentemente publicado do MCR afirma que todos os estudantes devem se esforçar para ganhar alguma experiência de intraparto domiciliar;

As parteiras falam muito sobre recuperar a sua autonomia perdida. Em 1960, 33,2% dos bebés nasceram em casa. Como o nascimento se mudou para o hospital nos anos 70 e 80, as parteiras perderam a sua autonomia profissional, facto muito lamentado. Uma maneira óbvia para as parteiras recuperarem a sua autonomia é promover activamente o nascimento em casa, porque o parto domiciliar é o domínio das parteiras. Mas todas as parteiras realmente querem autonomia genuína de volta, com toda a responsabilidade que isso traz? Uma preocupação mais profunda é que muitas parteiras, tendo sido treinadas e trabalhado no ambiente protegido do "laboratório", podem não querer a responsabilidade relacionada com os partos domiciliares. Sendo o único profissional num ambiente potencialmente isolado, responsável pela vida tanto da mãe quanto do bebé, é uma responsabilidade imensa e por vezes esmagadora, embora citada tantas vezes na literatura e nas salas de aula.

Fornecer um serviço de parto domiciliar concorrido também inclui a necessidade de estar "on-call" e trabalhar horas longas e anti sociais. Muitas parteiras costumavam trabalhar em turnos que não afectavam a sua vida doméstica, relutam em mudar esses acordos de trabalho. Outras parteiras que trabalham onde partos domiciliares são raros e são chamadas apenas muito ocasionalmente podem ser relutantes em aumentar a sua carga de trabalho de nascimentos em casa. Sendo acordado à noite perde a sua novidade rapidamente e levantar-se às três da manhã para alguém que você nunca conheceu não é muito divertido! Só começa a ser tolerável se você é capaz de desenvolver relações significativas com as mulheres e famílias pelas quais está a ser acordado. Trabalhar no ambiente da casa de uma mulher também é muito mais pessoal e a necessidade de conhecer a família mais imperativo. Uma das questões que restringem o desenvolvimento de serviços domiciliares é a existência de grandes equipas de parteiras ou serviços integrados em que as parteiras não conhecem os clientes para os quais esta a ter de se levantar durante a noite.

As parteiras nem sempre recebem apoio no dia seguinte, se estiverem acordadas a noite toda, e podem ser convocadas para ocupar unidades sobrecarregadas. Um serviço próspero domiciliar é um argumento para ter o emprego separado do pessoal de obstetrícia comunitária por uma Comunidade ou Primary Care Trust; A actual tendência para a integração de serviços significa que as necessidades de uma unidade de maternidade congestionada sempre terão precedência.

As razões pelas quais as mulheres não são "elegíveis" para ter um parto no domicílio são algo como "o seu bebé é muito grande ou pequeno demais, é o seu primeiro bebé ou o seu quinto bebé, você é muito jovem ou muito velha, a sua hemoglobina é muito baixa , a sua pressão arterial é muito alta ", e assim por diante. As portas de entrada para partos domiciliares são muito estreitas, e parteiras não tem o suporte para assumir casos mesmo ligeiramente complexos. Ampliar a categoria "tradicional" de baixo risco e torná-la genuinamente baseada em evidências e não em mitos é mais um passo na estratégia "de ampliar a entrada ao parto domiciliar.

Reduzindo o medo

.

Há uma outra razão porque nós precisamos começar para fora do laboratório e voltar à sala escurecida. As mulheres jovens de hoje têm medo do parto; Tornou-se um calvário escondido no mundo médico do hospital. Em casa, outras mulheres e meninas podem ver o nascimento como algo a não ser temido. Fiquei impressionada ao cuidar de uma parteira em trabalho de parto em casa, que me disse depois: "Fechei os olhos e vi todas as mulheres que eu tinha visto dar à luz, vi as suas forças, e eu tornei-me uma delas." Para dar à luz em casa, também estamos a ajudar a próxima geração a aprender a dar à luz.

Ver mais em "Reduzindo o medo do parto - Ina May Gaskin"

Crescimento do parto domiciliar

O desafio, então, é que cada Trust defina um objectivo de aumentar a taxa de partos domiciliares e que haja uma auditoria ao seu progresso. A RCM declarou claramente que a prestação de cuidados ao domicílio faz parte dos serviços gerais de maternidade e não um complemento facultativo. A taxa de partos domiciliares de cada parteira deve ser avaliada e o nível de informação que as mulheres estão a receber sobre o local de nascimento precisa ser avaliado. A taxa de partos domiciliares deve estar na agenda de cada Maternity Services Liaison Committee e as variações locais e regionais devem ser investigadas até que a lotaria de nascimento por código postal seja eliminada. O novo NMC deve definir um alvo que todas as parteiras estudantes devem testemunhar, talvez, cinco partos domiciliares. Porque não têm as mulheres em Belfast e Birmingham a mesma oportunidade de dar a luz em casa como as mulheres em Brighton?

Aumentar a taxa de partos domiciliares está claramente nas mãos das parteiras. Atende aos desejos de muitas mulheres, aumenta o número de nascimentos normais, aumenta a área de autonomia das parteiras - de facto atinge todos os nossos objectivos. Se não o fizermos em breve, pode muito bem ser tarde demais. Por que não estamos fazendo isso agora?"

fonte: http://www.pregnancy.com.au/birth-choices/homebirth/homebirth-articles/out-of-the-laboratory-back-to-the-darkened-room.shtml

Featured Posts
Recent Posts
Follow Us
Search By Tags
Archive
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now