Quão normal é o parto normal?


Nos dias de hoje quão normal é o parto normal?

De acordo com o dicionário o termo normal significa regular, conforme a norma.

Mas o que menos se pode regular ou seguir normas é um nascimento.

Todas as mulheres são diferentes e todos as gravidezes, trabalhos de parto e nascimentos são diferentes.

Apesar de um considerável debate e pesquisa ao longo de muitos anos, o conceito de "normalidade" no trabalho de parto e no nascimento não é padronizado ou universal. As últimas décadas viram uma rápida expansão no desenvolvimento e uso de uma variedade de práticas destinadas a iniciar, aumentar, acelerar, regular ou monitorar o processo fisiológico do trabalho de parto com o objectivo de melhorar os resultados para mães e bebés. Mas esta melhoria nem sempre acontece, ou acontece muito pouco.

Para começar a busca de informação perfeita para si veja mais sobre Hypnobubs Online e comece a sua viagem pelo mundo do Hypnobirthing e da preparação para um parto calmo e tranquilo.

No nosso mundo acelerado e de alta tecnologia, temos dificuldade em concordar com o que constitui um "nascimento normal". Para alguns, o termo é uma contradição porque acreditam e lidam com a gravidez como se de uma doença se tratasse em vez de a encararem como um estado de saúde. Mas então porque existe este termo de parto normal?

A meu ver, parto normal deveria ser denominado como parto fisiológico já que de normal os partos normais dos dias de hoje tem muito pouco.

Para efeitos deste artigo vamos considerar um parto normal como as midwives, Ob e organizações mundiais, como a OMS, ACOG, etc, que promovem a educação e a protecção da saúde materna definem.

Nascimento normal ocorre numa gravidez de baixo risco com início espontâneo do trabalho de parto que ocorre entre 37 e 42 semanas de gestação. O trabalho de parto é permitido progredir sozinho com a livre circulação e posicionamento da mãe. Após o nascimento via vaginal, a mãe e o recém-nascido estão em boas condições de saúde e têm permissão de tempo ilimitado para amamentar e iniciar a ligação.

Nem o público nem os prestadores de cuidados de saúde materna compreendem completamente os benefícios a longo prazo e altamente significativos de um parto normal bem apoiado.

Ver mais em Uma boa experiência de parto é muito mais do que o

nascimento de um bebé saudável.

Na verdade, apenas as mulheres que experienciaram um evento tão importante como um nascimento imperturbado, fisiológico, compreendem essas questões, e as suas vozes não são altas ou organizadas o suficiente para passar a mensagem. Apesar da crescente evidência que apoia os benefícios do nascimento normal, é necessária mais pesquisa.

Porque as taxas de epidural aumentaram e porque o número de cesarianas aumentou nas últimas décadas? Essas taxas crescentes são extremamente frustrantes e decepcionantes especialmente para quem pesquisa e defende o bem estar mãe-bebé, quando os estudos baseados em evidências confirmam os resultados positivos e duradouros do nascimento normal.

Ver mais em Hands Off - ACOG

As influências duradouras e valiosas de alcançar uma experiência de nascimento satisfatória precisam ser apoiadas por pesquisas adicionais e, então, efectivamente comunicadas. A evidência está lá fora, e a missão de apoiar o nascimento normal é mais que justificável, é imperativa. São necessários esforços acrescidos para ajudar a adicionar volume e força às nossas vozes colectivas em apoio dos benefícios que mudam a vida de uma satisfação.

Portugal conta com um projecto fantástico promovido pela Associação Portuguesa Pelos Direitos da Mulher na Gravidez e Parto, Birth Advisor, que faz a avaliação das instituições de saúde materna por parte das famílias. É uma base de dados das experiências e avaliações das famílias ao viveram um parto hospitalar.

Fazendo uma rápida pesquisa pelas Instituições mais cotadas podemos facilmente ver que o nível de satisfação é grande quando a maioria das avaliações dá 5 estrelas ao nascimento assistido na maioria das instituições, e isso excelente. Nada como uma família feliz.

Ver mais em Re-pensando os cuidados de maternidade: de paciente para consumidora

Mas quando se observa um pouco mais, nota-se um padrão que se repete de instituição para instituição. partos induzidos, instrumentais, episiotomias e epidurais. Como exemplo, num dos Hospitais de referência e sendo um Hospital Amigo dos Bebés, o HGO conta com 18 avaliações, 16 das quais tem um rol imenso de intervenções.

Será que foram todas necessárias? Será que foram apenas consequências de uma primeira intervenção justificada ou não, ou rotina? Fica a dúvida.

Isto reforça a ideia de que a informação sobre a importância e a definição de um parto normal não está a passar para o público e de que o parto normal hospitalar de “normal” (como definido acima) nos dias de hoje tem muito pouco.

Deixo-vos a declaração de consenso da ACNM - American College of Nurse-Midwives, MANA-Midwives Alliance of North America e NACPM-National Association of Certified Professional Midwives* sobre o apoio ao parto normal.

Apoio ao parto fisiológico saudável e normal: uma declaração de consenso da ACNM, MANA e NACPM*

Em 1996, a Organização Mundial da Saúde pediu a eliminação da intervenção desnecessária no parto (1) , e actualmente existem poucos recursos para ajudar os prestadores de cuidados de maternidade a alcançar esse objectivo. O objectivo desta declaração de consenso é identificar explicitamente os principais pontos de referência de partos fisiológicos seguros, saudáveis ​​e normais. Esta declaração ajudará os prestadores de cuidados de maternidade, as mulheres, os formuladores de políticas e os pagadores a proteger, promover e apoiar a fisioterapia humana e evitar o uso excessivo de intervenções, conseguindo melhores cuidados, melhor saúde e custos mais baixos.

Esta declaração de consenso representa o trabalho de uma equipa composta por representantes de três organizações de obstetrícia dos EUA, cujos membros são especialistas em apoiar as capacidades inatas das mulheres para o nascimento, e foram analisados ​​externamente por organizações e líderes de cuidados de maternidade. Os objectivos específicos da declaração de consenso são

  • Fornecer uma definição sucinta de nascimento fisiológico normal;

  • Identificar objectivos mensuráveis ​​para descrever os processos óptimos e os resultados que reflectem o nascimento fisiológico normal;

  • Identificar factores que facilitam ou interrompem o parto fisiológico normal com base nas melhores evidências disponíveis;

  • Criar um modelo para mudanças no sistema através da prática clínica, educação, pesquisa e política de saúde; e

  • Melhorar a saúde das mães e dos bebés, evitando intervenções desnecessárias e dispendiosas.

Esta afirmação é colocada no contexto da aplicação actual e generalizada de intervenções tecnológicas que não possuem evidências científicas para uma população de partos primariamente saudáveis. (2) O uso de intervenções obstétricas no trabalho de parto e nascimento tornou-se a norma nos Estados Unidos. Mais da metade de todas as mulheres grávidas recebem oxitocina sintética para induzir ou acelerar o trabalho de parto (3), que exige intervenções adicionais para monitorar, prevenir ou tratar os efeitos colaterais. A nível nacional, um terço das mulheres têm os seus bebés via cesariana (4) ,uma grande cirurgia abdominal com potencial para graves consequências para a saúde a curto e longo prazo. Para as mães, essas consequências incluem, mas não estão limitadas a infecções pós-operatórias, dor crónica, partos por cesariana consequentes e complicações placentárias que podem levar à hemorragia, histerectomia e raramente a morte(5,6). Os Os riscos para os recém nascidos incluem dificuldade respiratória (7), e em gravidezes subsequentes os riscos maternos incluem aumento da probabilidade de parto prematuro e morbidade e mortalidade associadas( 8 -,12). Independentemente da intervenção ou resultado, a atenção à maternidade recebida pela mulher como desrespeitosa ou traumática é mais provável de estar associada à morbidade psicológica materna e ao potencial de comprometimento da mãe e do bebé. (13 -,16).

DEFININDO A FISIOLOGIA NORMAL DO NASCIMENTO

Esta afirmação baseia-se em evidências científicas e com base em definições extraídas da versão de 2012 do Oxford English Dictionary , em que "normal" se refere ao típico ou usual - um padrão, e "fisiologia" refere-se aos processos funcionais de um organismo, órgão , ou sistema. Assim, a fisiologia humana normal fornece uma estrutura para entender o óptimo funcionamento do parto. Para os propósitos desta afirmação, o nascimento inclui as três etapas do trabalho, a transição do recém-nascido e a primeira hora após o nascimento.

Um trabalho de parto fisiológico normal e um nascimento são sustentados pela capacidade humana inata da mulher e do feto. Este nascimento é mais provável de ser seguro e saudável porque não há intervenção desnecessária que perturba os processos fisiológicos normais (17) Algumas mulheres e / ou fetos desenvolverão complicações que merecem atenção médica para garantir resultados saudáveis ​​e saudáveis. No entanto, apoiar os processos fisiológicos normais de trabalho e nascimento, mesmo na presença de tais complicações, tem o potencial de melhorar os melhores resultados para a mãe e a criança. (18 -, 21)

Parto fisiológico normal

  • caracteriza-se por início espontâneo e progressão do trabalho de parto;

  • inclui condições biológicas e psicológicas que promovem o trabalho de parto efectivo;

  • resulta no parto vaginal da criança e da placenta;

  • resulta em perda de sangue fisiológica; (22)

  • facilita a transição ideal do recém-nascido através do contacto pele a pele e mantendo a mãe e a criança juntas durante o período pós-parto; e

  • apoia o início precoce da amamentação. (1)

Os seguintes factores prejudicam o parto fisiológico normal:

  • indução ou aumento do trabalho; (23 -, 25)

  • um ambiente insatisfatório, ou seja, luzes brilhantes, sala fria, falta de privacidade, múltiplos fornecedores, falta de companheiros de apoio, etc .; (26 , 27)

  • restrições de tempo, inclusive aquelas conduzidas por políticas institucionais e / ou pessoal; (28)

  • privação nutricional, por exemplo, alimentos e bebidas; (29)

  • opiáceos, analgesia regional ou anestesia geral; (30 , 31)

  • episiotomia; (32 , 33)

  • parto operatório vaginal (vácuo, forceps) ou abdominal (cesariana); (6 , 34)

  • clampeamento imediato do cordão; (35 -, 37)

  • separação da mãe e do bebé; (38) e / ou

  • qualquer situação em que a mãe se sinta ameaçada ou não suportada. (39)

OS MECANISMOS E OS RESULTADOS DO NASCIMENTO FISIOLÓGICO

O trabalho fisiológico normal e o nascimento têm implicações positivas para a mãe e a criança a curto e a longo prazo para a saúde. A função fisiológica ideal do sistema neuroendócrino aumenta a libertação de oxitocina endógena e catecolaminas benéficas em resposta ao stress. (40 , 41) Estas hormonas promovem padrões efectivos de trabalho de parto e respostas fisiológicas protectoras, incluindo níveis aprimorados de endorfina, facilitação da transição cardio-respiratória e termorregulação do recém nascido, lactação bem-sucedida e maior comportamento de ligação entre a mãe e a criança. (38 , 42 -, 44) Quando há um funcionamento fisiológico óptimo, as mulheres são menos propensas a exigir intervenções para aumentar/acelerar artificialmente o trabalho de parto, o que potencialmente pode interferir na capacidade de lidar com a dor. (44 -, 47) Quando o trabalho de parto progride espontaneamente há uma probabilidade reduzida de comprometimento fetal ou necessidade de intervenção instrumental / cirúrgico. (48)

Para a maioria das mulheres, os benefícios a curto prazo do parto fisiológico normal incluem emergir do parto, sentindo-se fisicamente e emocionalmente saudável e empoderadas como mães. Os seus bebés beneficiarão da capacidade das suas mães responderem às suas necessidades e da falta de exposição a medicamentos que possam afectar o comportamento neurológico. Os resultados a longo prazo incluem efeitos benéficos para a saúde física e mental da mulher e capacidade para a mãe, aumento do crescimento e desenvolvimento infantil e incidência potencialmente diminuída de doenças crónicas. (49 -, 56) Em conjunto, estes resultados são benéficos para a família e a sociedade através funcionamento familiar aumentada e o custo de cuidados eficazes. Importante, um foco nesses aspectos do parto fisiológico normal ajudará a mudar o discurso actual sobre o parto como um estado de doença onde a autoridade reside externa à mulher para um bem-estar em que mulheres e clínicos compartilhem decisões e responsabilidade. (57)

FACTORES QUE INFLUENCIAM O NASCIMENTO FISIOLÓGICO NORMAL

Existem múltiplos factores que influenciam a capacidade de uma mulher dar à luz sem intervenção. Estes incluem o seguinte:

Para a mulher:

  • O seu estado de saúde individual e a sua aptidão física;

  • Autonomia e autodeterminação no parto; (58)

  • Conhecimento pessoal e confiança sobre o nascimento, incluindo crenças culturais, normas e práticas e educação sobre o valor do parto fisiológico normal; (59)

  • Processo de decisão totalmente informado e compartilhado; e

  • Acesso a sistemas de cuidados de saúde, configurações e provedores de apoio e com formação adequada em parto fisiológico normal. (60)

Para o clínico:

  • Educação, conhecimento, competência, habilidade e confiança no apoio ao trabalho de parto fisiológico e nascimento, inclusive ajudando as mulheres a lidar com a dor;

  • Compromisso de trabalhar com as mulheres através da educação para aumentar a confiança no nascimento e diminuir o medo do processo;

  • Compromisso com a tomada de decisão compartilhada; e

  • Trabalhar numa infra-estrutura que apoie o nascimento fisiológico normal. (60)

Para o ambiente de nascimento:

  • Acesso a cuidados de uma parteira para cada mulher; (18)

  • Tempo adequado para a tomada de decisão compartilhada, sem a coerção;

  • Sem induções ou aumentos de trabalho de parto sem indicação clínica baseada em evidências; (24)

  • Incentivo à alimentação (alimento e bebida) durante o trabalho de parto desejado pela mulher; (61)

  • Liberdade de circulação no trabalho e escolha da posição de nascimento da mulher;

  • Auscultação intermitente de frequência cardíaca durante o trabalho de parto, a menos que o monitoramento electrónico contínuo seja indicado clinicamente; (62)

  • Prestadores de cuidados de maternidade especializados em métodos não farmacológicos para lidar com a dor de parto para todas as mulheres; (63)

  • Cuidados que apoiem o conforto, a dignidade e a privacidade de cada mulher; e

  • Respeito pelas necessidades culturais de cada mulher.

RECOMENDAÇÕES PARA POLÍTICA, EDUCAÇÃO E PESQUISA PARA PROMOVER O NASCIMENTO FISIOLÓGICO NORMAL INCLUEM, MAS NÃO SE LIMITAM AO SEGUINTE:

  • Introdução de políticas em contextos hospitalares para apoiar o nascimento fisiológico normal;

  • Exame abrangente e disseminação das evidências e práticas de cuidados que apoiem o nascimento fisiológico normal;

  • Atenção de obstetrícia como estratégia-chave para sustentar o nascimento fisiológico normal;

  • Aumentar a força de trabalho da parteira e melhorar os regulamentos e as estratégias de financiamento para apoiar a sua prática;

  • Programação educacional interdisciplinar baseada em competências para clínicos e estudantes de saúde de maternidade sobre a aplicação de cuidados que promovam o parto fisiológico normal e (veja Normal Birth Summit Statement)

  • Desenvolvimento de uma agenda de pesquisa futura sobre os efeitos a curto e a longo prazo do parto fisiológico normal. (2 , 64)

Aprovado pelos Conselhos de Administração da ACNM, MANA e NACPM, abril de 2012

Referencias

1. World Health Organization Care in Normal Birth: A Practical Guide. World Health Organization; 1996

2. Sakala C, Corry MP Evidence-based maternity care: what it is and what it can achieve. New York, NY: Milbank Memorial Fund; 2008

3. Declercq ER, Sakala C, Corry MP, et al. Listening to mothers II: Report of the Second National U.S. Survey of Women’s Childbearing Experiences. New York, NY: Childbirth Connection; 2006

4. Martin JA, Hamilton BE, Ventura SJ, et al. Births: preliminary data for 2010. Natl Vital Stat Rep.2011;60(2):1–25 [PubMed]

5. Guise JM, Eden K, Emeis C, et al. Vaginal birth after cesarean: new insights. Evidence report/technology assessment no.191. Rockville, MD: Agency for Healthcare Research and Quality; 2010 [PMC free article] [PubMed]

6. Koroukian SM Relative risk of postpartum complications in the Ohio Medicaid population: vaginal versus cesarean delivery. Med Care Res Rev. 2004;61(2):203–224 [PubMed]

7. Hansen AK, Wisborg K, Uldbjerg N, et al. Elective caesarean section and respiratory morbidity in the term and near-term neonate. Acta Obstet Gynecol Scand. 2007;86(4):389–394 [PubMed]

8. Bager P, Wohlfahrt J, Westergaard T Caesarean delivery and risk of atopy and allergic disease: meta-analyses. Clin Exp Allergy. 2008;38(4):634–642 [PubMed]

9. Galyean AM, Lagrew DC, Bush MC, et al. Previous cesarean section and the risk of postpartum maternal complications and adverse neonatal outcomes in future pregnancies. J Perinatol.2009;29(11):726–730 [PubMed]

10. Kennare R, Tucker G, Heard A, et al. Risks of adverse outcomes in the next birth after a first cesarean delivery. Obstet Gynecol. 2007; 109(2, pt 1):270–276 [PubMed]

11. Osborne C, Ecker JL, Gauvreau K, et al. First birth cesarean and risk of antepartum fetal death in a subsequent pregnancy. J Midwifery Womens Health. 2012;57(1):12–17 10.1111/j.1542-2011.2011.00142.x; 10.1111/j.1542-2011.2011.00142.x [PubMed]

12. Richter R, Bergmann RL, Dudenhausen JW Previous caesarean or vaginal delivery: which mode is a greater risk of perinatal death at the second delivery? Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 2006;132(1):51–7[PubMed]

13. Beck CT Birth trauma: in the eye of the beholder. Nurs Res. 2004;53(1):28–35 [PubMed]

14. Beck CT, Watson S The impact of birth trauma on breastfeeding: a tale of two pathways. Nurs Res.2008;57(4):228–236 [PubMed]

15. Beck CT The anniversary of birth trauma: failure to rescue. Nurs Res. 2006;55(6):381–390 [PubMed]

16. Beck CT Post-traumatic stress disorder due to childbirth: the aftermath. Nurs Res. 2004;53(4):216–224[PubMed]

17. Romano AM, Lothian JA Promoting, protecting, and supporting normal birth: a look at the evidence. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2008;37(1):94–105 10.1111/j.1552-6909.2007.00210.x [PubMed]

18. Hatem M, Sandall J, Devane D, et al. Midwife-led versus other models of care for childbearing women. Cochrane Database Syst Rev. 2008;(4):CD004667 [PubMed]

19. Cragin L, Kennedy HP Linking obstetric and midwifery practice with optimal outcomes. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2006;35(6):779–785 [PubMed]

20. Murphy PA, Fullerton JT Development of the optimality index as a new approach to evaluating outcomes of maternity care. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2006;35(6):770–778 [PubMed]

21. Low LK, Seng JS, Miller JM Use of the optimality index—United States in perinatal clinical research: a validation study. J Midwifery Womens Health. 2008;53(4):302–309 [PubMed]

22. Dixon L, Fullerton JT, Begley C, et al. Systematic review: the clinical effectiveness of physiological (expectant) management of the third stage of labor following a physiological labor and birth. Int J Childbirth. 2011;1(3):179–195

23. Clark SL, Simpson KR, Knox GE, et al. Oxytocin: new perspectives on an old drug. Am J Obstet Gynecol. 2009;200(1):35, e1,–35 e6 [PubMed]

24. Mozurkewich E, Chilimigras JL, Berman DR, et al. Methods of induction of labour: a systematic review. BMC Pregnancy Childbirth. 2011;11(84):1–19 [PMC free article] [PubMed]

25. Smyth RM, Alldred SK, Markham C Amniotomy for shortening spontaneous labour. Cochrane Database Syst Rev. 2007;(4):CD006167 [PubMed]

26. Hodnett ED, Downe S, Walsh D, et al. Alternative versus conventional institutional settings for birth. Cochrane Database Syst Rev. 2010;(9):CD000012 [PubMed]

27. Hodnett ED, Gates S, Hofmeyr GJ, et al. Continuous support for women during childbirth. Cochrane Database Syst Rev. 2011;(2):CD003766 [PubMed]

28. Zhang J, Troendle J, Reddy UM, et al. Contemporary cesarean delivery practice in the United States. Am J Obstet Gynecol. 2010;203(4):326, e1,–326 e10 10.1016/j.ajog.2010.06.058 [PMC free article][PubMed]

29. Singata M, Tranmer J, Gyte GM Restricting oral fluid and food intake during labour. Cochrane Database Syst Rev. 2010;(1):CD003930 [PMC free article] [PubMed]

30. Bricker L, Lavender T Parenteral opioids for labor pain relief: a systematic review. Am J Obstet Gynecol. 2002;186(suppl 5):S94–109 [PubMed]

31. Anim-Somuah M, Smyth RM, Jones L Epidural versus non-epidural or no analgesia in labour. Cochrane Database Syst Rev. 2011;(12):CD000331 [PubMed]

32. Carroli G, Mignini L Episiotomy for vaginal birth. Cochrane Database Syst Rev. 2009;(1):CD000081 [PMC free article] [PubMed]

33. Viswanathan M, Hartmann K, Palmieri R, et al. The Use of Episiotomy in Obstetrical Care: A Systematic Review. Evidence reports/technology assessments, No. 112. Rockville, MD: Agency for Healthcare Research and Quality; 2005

34. Demissie K, Rhoads GG, Smulian JC, et al. Operative vaginal delivery and neonatal and infant adverse outcomes: population based retrospective analysis. BMJ. 2004;329(7456):24–29 [PMC free article][PubMed]

35. Hutton EK, Hassan ES Late vs early clamping of the umbilical cord in full-term neonates: systematic review and meta-analysis of controlled trials. JAMA. 2007;297(11):1241–1252 [PubMed]

36. Erickson-Owens DA, Mercer JS, Oh W Umbilical cord milking in term infants delivered by cesarean section: a randomized controlled trial [published online ahead of print November 17, 2011]. J Perinatol. 10.1038/jp.2011.159 [PubMed]

37. Mercer JS, Vohr BR, Erickson-Owens DA, et al. Seven-month developmental outcomes of very low birth weight infants enrolled in a randomized controlled trial of delayed versus immediate cord clamping. J Perinatol. 2010;30(1):11–16 [PMC free article] [PubMed]

38. Moore E, Anderson G, Bergman N Early skin-to-skin contact for mothers and their healthy newborn infants. Cochrane Database Syst Rev. 2007;(3):CD003519 [PubMed]

39. Beck CT Birth trauma and its sequelae. J Trauma Dissociation . 2009;10(2):189–203 [PubMed]

40. Bacigalupo G, Riese S, Rosendahl H, et al. Quantitative relationships between pain intensities during labor and beta-endorphin and cortisol concentrations in plasma decline of the hormone concentrations in the early postpartum period. J Perinat Med. 1990;18(4):289–296 [PubMed]

41. Hoffman DI, Abboud TK, Haase HR, et al. Plasma beta-endorphin concentrations prior to and during pregnancy, in labor, and after delivery. Am J Obstet Gynecol. 1984;150(5, pt 1):492–496 [PubMed]

42. Fourer M Creating birth space to enable undisturbed birth. In Fahy K, Fourer M, Hastie C, eds Birth Territory and Midwifery Guardianship. Theory for Practice, Education and Research. New York, NY: Elsevier; 2008:57–77

43. Unväs-Moberg K The Oxytocin Factor. Tapping the Hormone of Calm, Love, and Healing. Cambridge, MA: Da Capo Press; 2003

44. Taylor S, Klein L, Lewis B, et al. Biobehavioural responses to stress in females: tend- and-befriend, not fight-or-flight. Psychological Rev. 2000;107:411–429 [PubMed]

45. Neal JL, Lowe NK, Patrick TE, et al. What is the slowest-yet-normal cervical dilation rate among nulliparous women with spontaneous labor onset? J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2010;39(4):361–369 [PMC free article] [PubMed]

46. Lowe NK The nature of labor pain. Am J Obstet Gynecol. 2002;186(5 suppl Nature):S16–S24[PubMed]

47. Simkin P, Bolding A Update on nonpharmacologic approaches to relieve labor pain and prevent suffering. J Midwifery Womens Health. 2004;49:489–504 [PubMed]

48. Dunne C, Da Silva O, Schmidt G, et al. Outcomes of elective labour induction and elective caesarean section in low-risk pregnancies between 37 and 41 weeks’ gestation. JOGC. 2009;31(12):1124–1130[PubMed]

49. Cardwell CR, Stene LC, Joner G, et al. Caesarean section is associated with an increased risk of childhood-onset type 1 diabetes mellitus: a meta-analysis of observational studies. Diabetologia.2008;51:726–735 [PubMed]

50. Schlinzig T, Johansson S, Gunnar A, et al. Epigenetic modulation at birth—altered DNA-methylation in white blood cells after caesarean section. Acta Paediatr. 2009;98:1096–1099 [PubMed]

51. Toyokawa S, Uddin M, Koenen KC, et al. How does the social environment “get into the mind”? Epigenetics at the intersection of social and psychiatric epidemiology. Soc Sci Med. 2012;74:67–74 [PMC free article] [PubMed]

52. Heim C, Binder EB Current research trends in early life stress and depression: review of human studies on sensitive periods, gene-environment interactions, and epigenetics. Exp Neurol. 2012;233(1):102–111[PubMed]

53. Maghzi AH, Etemadifar M, Heshmat-Ghahdarijani K, et al. Delivery may increase the risk of multiple sclerosis. Mult Scler. 2012;18(4):468–471 [PubMed]

54. Xu XF, Du LZ Epigenetics in neonatal diseases. Chin Med J. 2010;123(20):2948–2954 [PubMed]

55. Hyde M, Mostyn A, Modi N, et al. The health implications of birth by caesarean section. Biol Rev.2012;87(1), 229–243. [PubMed]

56. Kapellou O Effect of caesarean section on brain maturation. Acta Paediatr. 2011;100(11):1416–1422[PubMed]

57. Kennedy HP, Nardini K, McLeod-Waldo R, et al. Top-selling childbirth advice books: a discourse analysis. Birth. 2009;36(4):318–324 [PubMed]

58. Klein MC, Liston R, Fraser WD Attitudes of the new generation of Canadian obstetricians: how do they differ from their predecessors? Birth. 2011;38(2):1–11 [PubMed]

59. van der Hulst LAM, Van Teijlingen ER, Bonsel GK Does a pregnant woman’s intended place of birth influence her attitudes toward and occurrence of obstetric interventions? Birth. 2004;31(1):28–33[PubMed]

60. Kennedy HP, Grant J, Walton C, et al. Normalizing birth in England: a qualitative study. J Midwifery Womens Health. 2010;55(3): 262–269 [PubMed]

61. American College of Nurse-Midwives Providing oral nutrition to women in labor. Clinical bulletin. http://www.midwife.org/siteFiles/education/Oral_Nutrition_to_Women_in_Labor_5_08.pdf Published March, 2008. Accessed May 4, 2012.

62. American College of Nurse-Midwives Intermittent auscultation for intrapartum fetal heart rate surveillance. Clinical bulletin. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1016/j.jmwh.2007.03.021/abstract?userIsAuthenticated=true&deniedAccessCustomisedMessage=Published March, 2007. Accessed May 4, 2012.

63. Simkin PP, O’Hara M Nonpharmacologic relief of pain during labor: systematic reviews of five methods. Am J Obstet Gynecol. 2002;186(5 suppl Nature):S131–S159 [PubMed]

64. Childbirth Connection Blueprint for action: steps toward a high-quality, high-value maternity care system. http://transform.childbirthconnection.org/blueprint/ Accessed May 4, 2012 a

Featured Posts
Recent Posts
Follow Us
Search By Tags
Archive
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now